Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama

20 de novembro de 2017

A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da juíza federal substituta Clarides Rahmeier, da 9ª Vara Federal de Porto Alegre, e foi proferida na terça-feira (14/11). A magistrada também decidiu que cabe ao órgão ambiental a obrigação de realizar o procedimento nos casos em que não houver previsão legal de dispensa.

A ação foi ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra a União e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) sob a alegação de que os procedimentos relativos ao tema estariam regulamentados em portarias emitidas pelo Ministério da Defesa. Conforme o MPF, não caberia ao próprio ente controlado estabelecer, de forma unilateral, a incidência ou não do controle.

Em sua defesa, a União argumentou que a legislação que dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas não determina que as dispensas ambientais devam ocorrer por meio de decreto presidencial. O réu também referiu que o licenciamento teria se tornado um “entrave burocrático”, dificultando as atividades militares.

O Ibama, por sua vez, afirmou que não teria competência para regular os empreendimentos de caráter militar. Disse, ainda, que a segurança nacional prevaleceria sobre a proteção ao meio ambiente.

Após avaliar os argumentos, Clarides considerou o que classificou de “princípio básico em matéria de regulação ambiental” ao estabelecer que a Forças Armadas não podem regular a si próprias. Segundo ela, “tal concepção independe do conhecimento técnico ou da respeitabilidade da conduta do regulado: é premissa da lógica da regulação que uma estrutura reguladora dotada de imparcialidade no julgamento possa realizar a devida avaliação. Assim, no presente caso, não pode o próprio licenciado dizer quando estará ou não submetido a licenciamento”.

A juíza concluiu apontando que “o ato em questão, portanto, deve ser editado pelo Presidente da República, porque a ele compete a consideração acerca de aspectos que digam respeito não apenas às Forças Armadas em si, por meio do Ministério da Defesa, mas também à específica proteção do meio ambiente sustentável, por meio do Ministério do Meio Ambiente”. Cabe recurso ao TRF4.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5022715-46.2017.4.04.7100/RS

OUTRAS NOTÍCIAS

JFRS afasta gestora do Hospital de Taquara e determina bloqueio de contas
14 de dezembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS) concedeu tutela de urgência determinando o imediato afastamento do Instituto de Saúde, Educação e Vida (ISEV) da administração do [Leia mais »]


JFRS: palestra abordou o fortalecimento dos vínculos comunitários para reduzir a incidência da violência entre jovens
13 de dezembro de 2017
Crianças e adolescentes das periferias, que possuem inúmeras necessidades não atendidas em função de políticas públicas frágeis, utilizam, muitas vezes, a agressividade [Leia mais »]


Ex-prefeito e ex-secretário de Segredo (RS) são condenados por irregularidades em reforma de ponte
12 de dezembro de 2017
Um ex-prefeito de Segredo e o ex-secretário de obras do município terão que devolver R$ 140 mil aos cofres públicos. Na última semana (6/12), eles foram condenados por [Leia mais »]


Reintegração de posse envolvendo 375 residências em Porto Alegre acontece de forma pacífica
7 de dezembro de 2017
Foi conduzida de forma pacífica e sem intercorrências uma reintegração de posse realizada ontem (6/12) na zona norte de Porto Alegre. O empreendimento Porto Novo, ocupado [Leia mais »]


TRF4 admite IRDR sobre produção de prova testemunhal para aposentadoria rural
7 de dezembro de 2017
É possível dispensar a produção de prova testemunhal em juízo para comprovação de labor rural, quando houver prova oral colhida em justificação realizada no processo [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000