INSS não pode condicionar a concessão do benefício previdenciário a desconto consignado, decide JFRS

17 de agosto de 2017

A 2ª Vara Federal de Santa Cruz do Sul concedeu, em sede liminar, um pedido de aposentadoria urbana por idade, a um homem de 67 anos, que teve o pedido negado administrativamente pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). A decisão, publicada ontem (16/8), é do juiz federal substituto Ricardo Alessandro Kern.

O autor, que na época do requerimento tinha 65 anos, narrou que, quando solicitou administrativamente a aposentadoria, o INSS teria exigido a assinatura de um termo, concordando com um desconto de 30% em seu benefício. O desconto seria decorrente de um auxílio-doença anteriormente pago, em tese, indevidamente.

Para o demandante, a exigência seria ilegal, por tratar-se de benefício previdenciário e, portanto, de caráter alimentar. Ele argumentou que a autarquia federal deveria, se achasse por direito, “postular sua pretensão pela via processual adequada”, que seria, no caso, uma ação de cobrança.

O INSS contestou, afirmando que haveria “reconhecimento de que importâncias recebidas geraram enriquecimento sem causa em favor da parte autora e, por conseguinte, prejuízos ao Erário”. Para a autarquia, tanto a Lei de Benefícios quanto o Regulamento da Previdência Social conteriam a previsão de desconto parcelado no benefício, em caso de pagamentos indevidos.

Ao apreciar o pedido, o juiz Ricardo Kern contabilizou também um fato novo trazido pelo autor, de que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) em meados de 2017, incapacitando-o para o trabalho. No que tange o receio de dano irreparável, primeiro requisito para concessão de Antecipação de Tutela, o magistrado entendeu-o como configurado, pois a parte autora encontra-se “severamente seqüelada” em razão do AVC.

Já com relação à probabilidade do Direito, o outro requisito, Kern observou que o próprio ente demandado reconheceu administrativamente o direito do autor. No entanto, pontuou que condicionar a concessão do benefício a uma prévia anuência de consignação de débito seria “situação inusitada e que está fora de qualquer esquadro legal, especialmente da legislação regente”, referindo-se à Lei de Benefícios da Previdência Social .

O magistrado ainda considerou “manifestamente ilegal a conduta da autarquia previdenciária ao negar ao segurado a concessão de um benefício que é reconhecido como devido pelo próprio INSS”. Ele determinou a concessão da aposentadoria por idade ao autor no prazo de 10 dias, limitando os descontos a serem feitos a, no máximo, 10% dos rendimentos devidos.

Sendo a decisão de caráter liminar, o mérito da ação ainda será analisado. Cabe recurso às Turmas Recursais. 

Veja mais Notícias

TRF4: eproc é o sistema eletrônico preferido do Judiciário Federal, aponta pesquisa do CJF

22 de junho de 2018
O eproc- processo eletrônico desenvolvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4)- é o sistema judicial preferido por 78,3% dos usuários do Judiciário Federal. O

Homem flagrado transportando meia tonelada de maconha é condenado pela JF Rio Grande (RS)

20 de junho de 2018
A 2ª Vara Federal de Rio Grande condenou um homem a 11 anos e dez meses de prisão por tráfico internacional de drogas. Ele foi flagrado tentando sair do Brasil com mais de meia

Entidades se reúnem na Justiça Federal do RS para conhecer alternativas de conciliação em meio eletrônico

20 de junho de 2018
  A conciliação em meio eletrônico foi tema de encontro que aconteceu na manhã de hoje (20/6), na sede da Justiça Federal em Porto Alegre. Advocacia-geral da União (AGU),