Instituições públicas lançam campanha de prevenção primária à corrupção

6 de setembro de 2017

Com a crença de que a integridade é intrínseca ao brasileiro e confiando no potencial de transformação social dos pequenos gestos, as entidades que fazem parte da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla) lançam, no próximo dia 12/9, a Campanha #TodosJuntosContraCorrupção. A data marca, ainda, a publicação de um edital de chamamento público com o objetivo de selecionar, reconhecer e compartilhar ideias e iniciativas que contribuam para a prevenção da corrupção no país.

De acordo com a juíza federal Cristina de Albuquerque Vieira, que atua na Justiça Federal da 4ª Região e integra a equipe do Programa Nacional de Prevenção Primária à Corrupção, a chamada “Ação 6” da Enccla busca consolidar propostas que fomentem a integridade social e a educação para a cidadania. “Acreditamos que a corrupção se combate não apenas com a aplicação de mecanismos de repressão e controle, mas também de forma preventiva por meio do reforço e da disseminação de valores como integridade, honestidade e ética”, explica.

As peças de comunicação que compõem a campanha estarão disponíveis a partir do lançamento no hotsite www.todosjuntoscontracorrupcao.gov.br e poderão ser baixadas e compartilhadas pelos cidadãos. A página também trará orientações sobre como estabelecer parcerias para produção de cartazes, camisetas, banners e outras formas de divulgação do conteúdo.

No mesmo endereço eletrônico, será disponibilizado o edital, que tem a intenção de selecionar e certificar iniciativas educacionais, já implementadas ou embrionárias, voltadas à formação de cidadãos conscientes e participativos no enfrentamento à corrupção. As ações destacadas serão disponibilizadas, no final de 2017, à sociedade, para livre consulta e replicação, em um banco de propostas acessível pela internet.

A criação do banco de propostas promoverá a aproximação entre os gestores dos sistemas educacionais e possíveis parceiros apoiadores, como empresas, órgãos públicos, academia e entidades do terceiro setor. O intuito é a implementação ou replicação das melhores iniciativas, tanto pelo apoio financeiro quanto pelo compartilhamento de experiências e conhecimentos.

Brasil e o ranking da corrupção

Dados divulgados em janeiro deste ano pela Transparência Internacional mostram que o Brasil ocupa o 79ª lugar no ranking que analisa a percepção da população dos países sobre a corrpução. Quanto menor a posição ocupada, menor a percepção em relação ao tema. O país aparece empatado com Bielorrússia, China e Índia.

Já o prejuízo anual ao País é estimado, segundo estudos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em cerca de 2,3% do PIB. São cerca de 145 bilhões de reais que poderiam ser investidos para melhorar os bens e serviços oferecidos à população. Saúde, educação e obras de infraestrutura são algumas das áreas de maior concentração de desvios. Isso contribuiu para que o Brasil, apesar de ser uma das dez maiores economias do mundo, continue muito mal classificado no Índice Mundial de Desenvolvimento Humano, ocupando a posição de nº 75, dentre 188 países pesquisados.

Integridade no DNA do brasileiro

Nas redes sociais e veículos de comunicação de massa, entretanto, não faltam exemplos de honestidade. O mais recente deles aconteceu no final de agosto, quando um grupo de jovens de Itabuna, na Bahia, encontrou o telefone celular que havia sido roubado de uma estudante e o devolveu à dona. Ainda no início do mês, um policial militar gaúcho virou notícia por ter recusado uma proposta de suborno no valor de R$ 1 milhão.

“Todas essas histórias revelam que a honestidade, a integridade, são valores naturais do brasileiro. O que é preciso, então, é reforçar esses valores e o poder que têm de transformar, influenciar comportamentos e atitudes. Em um contexto onde a ser honesto é a regra, o corrupto não é aceito. É isso que buscamos com o programa que estamos lançando: dar visibilidade e chancela a iniciativas com esse caráter de conscientização e educação para uma vida íntegra, para o combate à corrupção e o controle social”, conclui a juíza.

Sobre a Enccla

Instituída em 2003, sob a coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA) é formada por mais de 70 órgãos, dos três poderes da República, Ministérios Públicos e da sociedade civil que atuam, direta ou indiretamente, na prevenção e combate à corrupção e à lavagem de dinheiro. Anualmente, os órgãos participantes reúnem-se em plenária para, a partir de consenso, traçar as ações que serão executadas no ano seguinte. Os órgãos são divididos em grupos de trabalho que coordenam, ao longo do ano, a execução de cada uma das ações eleitas.

A Ação 6 tem como foco “consolidar propostas de prevenção à prática da corrupção fomentando a integridade social e a educação para a cidadania”. Coordenada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em conjunto com a Secretaria de Estado de Governo, tem como colaboradores a Associação dos Juízes Federais, o Conselho da Justiça Federal, o Ministério Público Federal, a Controladoria Geral da União e o Tribunal de Contas da União, a Receita Federal do Brasil e a Advocacia Geral da União, entre outros.

Com informações da Assessoria de Comunicação Social do Conselho Nacional do Ministério Público

 

 

 

 

 

Veja mais Notícias

TRF4 implanta novo Data Center

20 de junho de 2018
Após longo período de planejamento e logística, está chegando a data de início da operação do novo Data Center do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). A nova

Operação Mendax: JFRS condena três homens por fraude na Previdência

18 de junho de 2018
A 3ª Vara Federal de Santa Maria condenou três homens por estelionato e falsificação de documento público no âmbito da Operação Mendax. Eles foram acusados de inserir

JFRS: mutirão de conciliação em condomínio na Restinga termina com 189 acordos

16 de junho de 2018
Terminou com 189 acordos o mutirão de conciliação realizado hoje (16/6), pela Justiça Federal de Porto Alegre (RS), em um condomínio do Bairro Restinga. Em menos de duas