Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

JF Carazinho (RS) condena União por demora na entrega de medicamento

9 de outubro de 2017

A demora no fornecimento de um medicamento, determinado judicialmente, fez com que a 1ª Vara Federal de Carazinho (RS) condenasse a União a indenizar uma família da região por danos morais. A sentença, do juiz federal César Augusto Vieira, foi publicada na sexta-feira (6/10).

A ação foi ajuizada por uma aposentada e seus dois filhos. Segundo a autora, seu marido teria ingressado, em 2015, com pedido judicial para receber o remédio Ibrutinib, indicado para o tratamento do câncer. A solicitação teria sido deferida em caráter liminar, com prazo de dez dias para o cumprimento. O fármaco, entretanto, teria sido entregue quase seis meses após a decisão e três meses após o falecimento do paciente.

Em sua defesa, a União sustentou que caberia ao requerente comprovar que houve omissão e explicar o nexo de causalidade com a morte do solicitante. Além disso, afirmou que a entrega em menor prazo não teria utilidade, pois o o paciente já se encontraria em estado grave quando ajuizada a ação.

Ao analisar as provas apresentadas no processo, o magistrado destacou que, dentre os serviços e benefícios prestados pelo Poder Público no âmbito da saúde, encontra-se a assistência farmacêutica. “O falecido possuía o direito constitucional e universal de ser acolhido pelo Estado para que o mesmo fornecesse a medicação indicada com fins de erradicação ou controle da doença”, disse. “Sua implementação deve ser realizada na maior medida do possível, sempre buscando um resultado prático que assegure o valor cimeiro que o informa: dignidade da pessoa humana”, continuou.

Com relação ao dano moral, ele destacou que “sua configuração não importa apenas na dor, sofrimento ou aborrecimento, mas sua abrangência estreita-se com o princípio da dignidade humana, merecedora de consideração e respeito”. Para Vieira, houve descaso no tratamento da demanda.

O juiz ainda explicou que a condenação por danos extrapatrimoniais tem efeitos de punir o ofensor, reparar o prejuízo causado e evitar sua reiteração. “Não se pode simplesmente desconsiderar o ocorrido, pois a demora na solução do problema por mais de oito meses gera inevitável descrédito tanto à força cogente da legislação constitucional, em verdadeira ofensa ao princípio do retrocesso, ante as conquistas alcançadas pela proteção a que este sistema propõe, bem como quanto ao próprio Poder Judiciário”, avaliou.

Vieira julgou procedente o pedido e condenou a União ao pagamento de R$ 20 mil a cada um dos autores. Cabe recurso ao TRF4.

OUTRAS NOTÍCIAS

JFRS afasta gestora do Hospital de Taquara e determina bloqueio de contas
14 de dezembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS) concedeu tutela de urgência determinando o imediato afastamento do Instituto de Saúde, Educação e Vida (ISEV) da administração do [Leia mais »]


JFRS: palestra abordou o fortalecimento dos vínculos comunitários para reduzir a incidência da violência entre jovens
13 de dezembro de 2017
Crianças e adolescentes das periferias, que possuem inúmeras necessidades não atendidas em função de políticas públicas frágeis, utilizam, muitas vezes, a agressividade [Leia mais »]


Ex-prefeito e ex-secretário de Segredo (RS) são condenados por irregularidades em reforma de ponte
12 de dezembro de 2017
Um ex-prefeito de Segredo e o ex-secretário de obras do município terão que devolver R$ 140 mil aos cofres públicos. Na última semana (6/12), eles foram condenados por [Leia mais »]


Reintegração de posse envolvendo 375 residências em Porto Alegre acontece de forma pacífica
7 de dezembro de 2017
Foi conduzida de forma pacífica e sem intercorrências uma reintegração de posse realizada ontem (6/12) na zona norte de Porto Alegre. O empreendimento Porto Novo, ocupado [Leia mais »]


TRF4 admite IRDR sobre produção de prova testemunhal para aposentadoria rural
7 de dezembro de 2017
É possível dispensar a produção de prova testemunhal em juízo para comprovação de labor rural, quando houver prova oral colhida em justificação realizada no processo [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000