JF em Caxias do Sul condena ex-prefeito de São Francisco de Paula (RS) por fraude em licitação

21 de agosto de 2017

A 3ª Vara Federal de Caxias do Sul condenou um ex-prefeito de São Francisco de Paula e outros dois servidores do município, um deles ex-secretário de Obras e Viação, por improbidade administrativa. Os réus estavam sendo acusados por fraudes na aplicação das verbas federais, repassadas em decorrência de um forte vendaval que atingiu a cidade em 2009. A sentença, proferida na quarta-feira (16/8), é da juíza federal Adriane Battisti.

A ação foi proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), que imputou aos agentes públicos a utilização irregular de mais de R$ 1,5 milhão, repassado pelo Ministério da Integração Nacional, dinheiro que estava destinado à realização de obras de recuperação no município. Além disso, eles também foram acusados de não publicarem no Diário Oficial da União o edital de tomada de preços para contratação de serviços, e de não exigirem atestado de qualificação técnica da empresa que venceu a licitação, entre outras denúncias.

A defesa do ex-prefeito solicitou a suspensão da ação, por ele ser agente político, e sustentou que o recebimento da denúncia importaria em ofensa aos princípios do devido processo legal, mas não se manifestou a respeito do mérito. O ex-secretário alegou não ter nenhum envolvimento com o procedimento licitatório, e afirmou que a sua participação no certame se limitaria à solicitação de abertura do processo, a partir da informação da existência de recursos disponíveis.

Já o terceiro réu, que foi o presidente da Comissão de Licitações da Tomada de Preços, afirmou que as irregularidades apontadas pelo MPF se restringem à suposta violação dos princípios da Administração Pública, e que não ocorreram prejuízos ao erário. Ele ainda defendeu que tudo foi conduzido conforme a lei.

Após analisar os autos, a juíza concluiu haver provas suficientes para demonstrar as irregularidades imputadas aos demandados, bem como a violação do princípio constitucional da moralidade administrativa. Para Adriane, “é necessário que o administrador haja de forma proba, correta, honesta, isenta de má-fé, de modo a fazer preponderar os interesses daquele em nome de quem age”, o que não teria acontecido no caso.

A magistrada entendeu que os agentes não seguiram as regras previstas na legislação, julgando a ação procedente. O ex-prefeito e o ex-secretário foram condenados a ressarcir o erário em R$ 22 mil e R$ 15 mil, respectivamente. Todos os três tiveram os direitos políticos suspensos por cinco anos e terão que pagar multa civil de R$ 10 mil, cada.

Cabe recurso ao TRF4.

Veja mais Notícias

TRF4: eproc é o sistema eletrônico preferido do Judiciário Federal, aponta pesquisa do CJF

22 de junho de 2018
O eproc- processo eletrônico desenvolvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4)- é o sistema judicial preferido por 78,3% dos usuários do Judiciário Federal. O

Homem flagrado transportando meia tonelada de maconha é condenado pela JF Rio Grande (RS)

20 de junho de 2018
A 2ª Vara Federal de Rio Grande condenou um homem a 11 anos e dez meses de prisão por tráfico internacional de drogas. Ele foi flagrado tentando sair do Brasil com mais de meia

Entidades se reúnem na Justiça Federal do RS para conhecer alternativas de conciliação em meio eletrônico

20 de junho de 2018
  A conciliação em meio eletrônico foi tema de encontro que aconteceu na manhã de hoje (20/6), na sede da Justiça Federal em Porto Alegre. Advocacia-geral da União (AGU),