JF em Uruguaiana (RS) condena ajudante de despachante aduaneiro por corrupção ativa

A 1ª Vara Federal de Uruguaiana condenou um ajudante de despachante aduaneiro, que atua no Porto Seco do município, por corrupção ativa. Ele foi acusado de oferecer participação em um esquema de fraude em operações de exportação a um funcionário terceirizado da Receita Federal (RF). A sentença é da juíza federal substituta Aline Teresinha Ludwig Corrêa de Barros e foi proferida nesta segunda (9/10).

Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), o réu ofereceu vantagem econômica ao funcionário terceirizado para permitir a exportação fictícia de produtos. Seriam pagos entre R$ 3 mil e R$ 4 mil por processo liberado. O autor afirmou ainda que o ajudante de despachante solicitou a indicação de servidor da RF para garantir o esquema caso as declarações fraudulentas fossem selecionadas na fiscalização.

Em sua defesa, o réu afirmou ter questionado o funcionário terceirizado a respeito da existência de irregularidades no local de serviço, mas que a conversa ocorreu por mera curiosidade. Ele sustentou não existir provas suficientes para uma condenação e ressaltou que se trata de crime impossível, já que o funcionário não possuía capacidade material para atestar a presença fictícia de carga.

Após avaliar as provas trazidas ao processo, a magistrada decidiu julgar a ação procedente por entender que a ocorrência do fato e autoria ficaram comprovadas. Segundo Aline Teresinha, trata-se de uma conduta típica em que o dolo e o nexo causal foram confirmados. Para ela, restou demonstrada que o funcionário terceirizado possuía condições técnicas para atestar a presença de carga fictícia de cargas, pois tinha acesso qualificado ao sistema.

A juíza condenou o ajudante de despachante por corrupção ativa a dois anos e dois meses de reclusão, mas a pena restritiva de liberdade foi substituída em serviços à comunidade e prestação pecuniária. Cabe recurso ao TRF4.

Veja mais Notícias

Fazenda do RS é proibida de dissecar animais para dar aulas de anatomia

Um dos passeios oferecidos a alunos de 6ª a 8ª séries era a uma fazenda onde animais eram dissecados e usados em aulas de anatomia. A Justiça Federal acabou com essa prática.

Justiça Federal em Santa Maria (RS) condena paraguaio preso com mais de 100kg de cocaína

A 2ª Vara Federal de Santa Maria condenou um paraguaio por tráfico internacional de drogas. Ele foi preso com mais de 100kg de cocaína enquanto trafegava pela BR-158 no

Justiça Federal do RS condena Corinthians, construtora Odebrecht, Arena Itaquera e ex-presidente da Caixa a devolver R$400 milhões

Um repasse milionário de dinheiro público, captado por uma empresa privada especialmente criada para este fim e com capital social no valor de R$ 1 mil, embasado em garantias