JFRS nega pedido de fornecedora que atrasou entrega de material para os Correios e culpou demora do Sedex

17 de abril de 2018

A 1ª Vara Federal de Lajeado (RS) negou pedido de afastamento de multa impetrado por uma fornecedora de uniformes que descumpriu os prazos de dois contratos firmados com os Correios. A licitante havia atribuído a demora a uma falha em serviço prestado pelo própria empresa pública. A decisão é da juíza federal Ana Paula Martini Tremarin Wedy e foi proferida na última semana (13/4).

Em dezembro de 2015, a autora venceu duas licitações para fornecimento de jaquetas, calças e bolsas aos Correios. Os contratos previam que a licitante deveria enviar exemplares dos produtos à sede da empresa pública, em Brasília, até os dias 25 e 26 de janeiro, uma terça e quarta-feira, respectivamente.

A empresária afirmou que os produtos foram encaminhados via Sedex na sexta-feira da semana anterior, em embalagem única. A postagem, referiu, teria chegado à capital federal na manhã do dia seguinte, onde permaneceu por mais três dias até a entrega ao destinatário final. Em virtude do atraso, a contratante rescindiu o contrato, aplicando duas multas no valor de total de R$ 60 mil.

A empresa autora ajuizou ação pedindo o cancelamento das multas, uma vez que, segundo ela, o atraso teria ocorrido devido à ineficiência do serviço de Sedex. Em caso de manutenção da sanção, foi solicitada a sua redução, tendo em vista que elas foram aplicadas de forma cumulativa.

Já os Correios apontaram que o serviço prevê a entrega em até três dias úteis após a postagem, o que teria sido cumprido. Além disso, explicou que o material recebido se limitava a amostras relacionadas a apenas um dos dois contratos.

Após análise dos autos, a magistrada negou o pedido de cancelamento da multa por entender que ficou comprovado que “a parte autora não observou o prazo necessário para encaminhamento dos exemplares e, ainda que se considerasse o envio dos objetos de diferentes contratos na mesma embalagem, não foi observada a distinta identificação dos mesmos e quantidade exigida”. No entanto, Ana Paula decidiu reduzir o valor da multa por considerar desproporcional e irrazoável a sua aplicação cumulativa. “Independentemente de como está a redação do contrato, reputa-se abusiva a cobrança de todas as faixas, pois incide em um bis in idem (repetição de uma sanção sobre mesmo fato)”, concluiu.

Ainda cabe recurso ao TRF4.

 

Veja mais Notícias

Crimes de ciberpornografia são os mais desafiadores, afirma pesquisadora em seminário sobre Justiça Restaurativa na JFRS

22 de maio de 2018
A aplicação das práticas restaurativas em casos de crimes cibernéticos, em especial os relacionados a ciberpornografia, foi o centro do seminário conduzido na tarde de ontem

Justiça Federal em Santa Maria (RS) condena dois homens por contrabando de medicamentos

22 de maio de 2018
A 2ª Vara Federal de Santa Maria condenou um advogado e um corretor de imóveis a dois anos de reclusão por contrabando de medicamentos. A sentença é do juiz federal Jorge Luiz

Operação Coroa: JF em Caxias do Sul (RS) condena Jarvis Pavão e mais seis por tráfico internacional de drogas

22 de maio de 2018
A 5ª Vara Federal de Caxias do Sul (RS) condenou sete acusados de operar um esquema de tráfico internacional que trazia drogas do Paraguai para a Serra Gaúcha. A sentença,