Negligência do condutor exclui direito à indenização em acidente de trânsito, decide JFRS

6 de fevereiro de 2018

A 2ª Vara Federal de Santa Maria (RS) negou pedido de indenização por dano moral e pagamento de pensão vitalícia à esposa e à filha de um homem morto após atropelar um cavalo na BR 287. As autoras alegaram que o acidente ocorreu em virtude da falta de fiscalização na rodovia. Na decisão proferida na última semana, o juiz federal substituto Daniel Antoniazzi Freitag considerou que o fato de que o condutor havia consumido bebida alcoólica e trafegava acima da velocidade permitida.

O caso ocorreu em julho de 2014. O jovem, então com 25 anos, colidiu com o animal enquanto voltava de uma festa. Além dele, havia outras seis pessoas no veículo – que tem capacidade para apenas cinco. Os demais ocupantes ficaram feridos sem gravidade.

As autoras ingressaram com ação contra o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a União. Elas sustentaram que houve omissão no dever de fiscalização por parte do órgão, o que evitaria que o animal invadisse a pista. Segundo a acusação, os réus deveriam atuar de forma preventiva nas rodovias e estradas federais.

A União defendeu que a responsabilidade seria do Dnit e do proprietário do cavalo. Já a autarquia afirmou que a ocorrência seria decorrente de caso fortuito e referiu que a culpa seria exclusivamente da vítima.

Um dos policiais rodoviários que atendeu a ocorrência declarou à Justiça ter encontrado, no porta malas do carro, uma garrafa de 4,5 litros de whisky contendo menos de 10% da bebida. Copos e vasilhames de produtos alcoólicos também foram encontrados próximos aos passageiros.

Também em depoimento na esfera judicial, quatro ocupantes do automóvel confirmaram que o condutor estava acima da velocidade máxima permitida. Segundo as vítimas, instantes antes da colisão, ele teria sido alertado por uma passageira que estaria trafegando a 130 Km/h. Ele teria ignorado o aviso e acelerado ainda mais o veículo.

Após avaliar as provas trazidas aos autos, Freitag negou o pedido das autoras por entender que o acidente teria sido causado pelo comportamento do motorista e, não, omissão por parte do estado. “Trata-se de colisão ocorrida na área urbana, onde não se espera a existência de animais de grande porte soltos – o que poderia ocorrer com maior frequência em áreas rurais”, pontuou.

Por fim, acrescentou que também é dever dos condutores tomarem as precauções necessárias. “Esse dever de cuidado, inerente a todos os motoristas, parece não ter sido observado no caso em tela”, finalizou. Cabe recurso ao TRF4

Veja mais Notícias

UAA da Justiça Federal em Montenegro (RS) não terá expediente em 25/5

23 de maio de 2018
A Direção do Foro da SJRS determinou que não haverá expediente no dia 25/5 na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Montenegro (RS). A medida decorre

Crimes de ciberpornografia são os mais desafiadores, afirma pesquisadora em seminário sobre Justiça Restaurativa na JFRS

22 de maio de 2018
A aplicação das práticas restaurativas em casos de crimes cibernéticos, em especial os relacionados a ciberpornografia, foi o centro do seminário conduzido na tarde de ontem

Justiça Federal em Santa Maria (RS) condena dois homens por contrabando de medicamentos

22 de maio de 2018
A 2ª Vara Federal de Santa Maria condenou um advogado e um corretor de imóveis a dois anos de reclusão por contrabando de medicamentos. A sentença é do juiz federal Jorge Luiz