Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

JFRS: palestra aborda papel do Judiciário na garantia do direito à saúde

13 de novembro de 2017

Em parceria com a Procuradoria Regional da República na 4ª Região (PRR4/MPF), a Justiça Federal do RS (JFRS) realizou, na última sexta-feira (10/11), a palestra “Direito à Saúde e incorporação de novas tecnologias: papel do judiciário, garantias e limites”. A atividade integra a programação do evento “Direitos Humanos, uma questão de Justiça”, promovida pelo Núcleo de Documentação e Memória da JFRS desde março de 2016 e com previsão de encerramento para março do próximo ano.

Imagem da mesa de palestrantes, onde estão sentados um home e duas mulheres jovens, em frente a um telão com a imagem desfocada

Leivas (E) e Mariana (D) palestraram em evento mediado por Tassiara Kich, do Núcleo de Documentação e Memória da JFRS

Na conversa, que durou cerca de duas horas, o procurador da República Paulo Gilberto Cogo Leivas e a advogada da União Mariana Filchtiner Figueiredo puderam expor seus pontos de vista a respeito do direito à saúde e da atuação do poder público enquanto garantidor desta prerrogativa. Um dos pontos-chave do debate foi a intervenção do Judiciário na atuação do Executivo – suas prerrogativas e limites – para assegurar o acesso da população aos serviços de saúde.

Leivas confessou se sentir desconfortável com a utilização do jargão “judicialização da saúde”, o que, segundo ele, acaba revestindo de um sentido negativo a atuação do Ministério Público. “Eu não ouço as pessoas falarem em ‘judicialização tributária, previdenciária’. Por que então usar estes termos em relação aos processos relacionados à saúde?”, questionou.

No que diz respeito aos pedidos judiciais de tratamentos que ainda não são fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o procurador considerou que os pareceres do MPF devem levar em conta o custo e a eficácia da medicação se comparada com aqueles que já são disponibilizados gratuitamente. “Não é razoável que se defenda que o poder público seja obrigado a prover, para determinado indivíduo, um tratamento que não apresente resultados consideravelmente superiores aos convencionais”, defendeu.

Já Mariana, em sua fala, apresentou um apanhado histórico de como o direito à saúde surgiu no Brasil. Na sequência, apontou a falta de recursos como um dos maiores problemas enfrentados pela administração pública no panorama atual.

Membro da AGU há 17 anos, ela defendeu a possibilidade de estabelecimento de uma eventual cobrança para utilização do SUS, o que, segundo apontou, “evitaria o uso abusivo por parte da população”. No entanto, esclareceu que essa possível contribuição não poderia obstaculizar o acesso das comunidades mais pobres à saúde.

Exemplificando sua posição, ela apontou a existência de casos em que usuários de plano de saúde recorrem ao sistema público para realizarem os procedimentos com maior grau de complexidade. A advogada da União relatou que, atualmente, tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) uma ação que discute a obrigação, por parte das operadoras, a devolverem ao SUS os valores gastos com atendimentos a beneficiários conveniados.

Mulher jovem, de origem afrobrasileira, traduz a palestra para linguagem de sinais

Palestra foi traduzida para que surdos pudessem acompanhar

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000