Justiça Federal condena empresários e farmacêutico por fraude na compra de medicamentos para o Municipio de Uruguaiana (RS)

12 de abril de 2018

A 1ª Vara Federal de Uruguaiana (RS) condenou um farmacêutico e dois empresários acusados de fraudar licitações instauradas pela Secretaria Municipal de Saúde para a compra de medicamentos. A sentença é do juiz federal Diogo Edele Pimentel e foi proferida na última semana (6/4) em ação originada na Operação Saúde. As penas impostas variam de seis a dez anos de reclusão.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), o poder público de Uruguaiana teria realizado dois pregões destinados à compra de produtos hospitalares para postos de saúde no ano de 2010. Entre as vencedoras dos certames, estava uma distribuidora de produtos hospitalares sediada em Barão do Cotegipe.

Com o apoio de um farmacêutico que, na época, chefiava o setor de Almoxarifado do Município, a empresa teria recebido pelo fornecimento de medicamentos em quantidades menores ou de valor inferior ao acordado e pago pelo Poder Público. Ainda segundo o autor, as notas fiscais emitidas eram encaminhadas para pagamento antes mesmo da prestação do serviço e sem a ciência do secretário municipal de Saúde.

A fraude teria sido realizada, pelo menos, em onze ocasiões durante os anos de 2010 e 2011. O MPF narrou que os sócios da fornecedora seriam também responsáveis por outras cinco empresas investigadas por conduta semelhante em diversos municípios gaúchos.

Em suas defesas, os réus alegaram ser inocentes e sustentaram que não haveria comprovação das alegações. Disseram, ainda, que a denúncia não teria explicado como teria ocorrido o suposto ajuste entre eles.

Após analisar as provas juntadas aos autos, Pimentel concluiu que não haveria dúvidas quanto a autoria e a materialidade dos crimes. “Esse contexto probatório permite concluir com segurança que restou fraudado contrato decorrente de procedimento licitatório para aquisição de bens, em evidente prejuízo à Fazenda Pública Municipal”, apontou. “Saliento que a própria empresa reconheceu não ter entregue a totalidade dos medicamentos apostos nas notas fiscais em questão”, mencionando, ainda, levantamentos de estoque que comprovariam a entrega de produtos com prazo de validade exíguo e em quantidade menor do que a constante nas notas fiscais.

O magistrado julgou parcialmente procedente a ação, condenando três réus. O farmacêutico recebeu as maiores penas, que somaram dez anos de reclusão em regime fechado. Os empresários foram condenados a um total de seis anos e sete anos e nove meses de reclusão, respectivamente. Todos poderão recorrer em liberdade ao TRF4.

Veja mais Notícias

JFRS seleciona peritos judiciais em diversas especialidades médicas para atuar em Torres

20 de abril de 2018
A 25ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) está cadastrando peritos(as) na área médica para atuação no consultório da Sede da Unidade Avançada de Atendimento de TORRES (RS),

Instrução de aulas de pilates é privativa de profissionais de Educação Fìsica, decide Justiça Federal do RS

20 de abril de 2018
A 1ª Vara Federal de Cruz Alta (RS) determinou a um estúdio de pilates que providencie registro junto ao Conselho Regional de Educação Física / 2ª Região/RS (Cref/2RS) e

Justiça Federal leva audiência de conciliação para condomínio na zona sul de Porto Alegre

20 de abril de 2018
Com o intuito de encontrar uma solução pacífica e consensual para 122 litígios envolvendo vícios construtivos em imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida, a Justiça