Justiça Federal de Porto Alegre condena Prefeitura a realizar obra para evitar deslizamento na Avenida Bento Gonçalves

11 de abril de 2018

A Justiça Federal determinou que a Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA) providencie, o mais rápido possível, a construção de um talude na encosta do Morro da Companhia para contenção de possíveis deslizamentos de terra. O trecho fica localizado na Avenida Bento Gonçalves, próximo à Faculdade de Veterinária da UFRGS. A decisão é da juíza federal Daniela Cristina Pertile Victoria, que atua na 6ª Vara Federal da capital, e foi proferida na última semana (5/4).

A ação com pedido de tutela de urgência foi ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) e tinha como réus a PMPA e a UFRGS, proprietária da área. De acordo com o órgão, a erosão é proveniente da angulação do corte do terreno realizado pela prefeitura para a ampliação da avenida.

Segundo o MPF, os sinais de erosão na encosta foram constatados ainda em 2003. A situação estaria causando risco de desmoronamento e deslizamento de terras, podendo causar prejuízos à vida e à integridade física dos moradores locais.

Em sua defesa, a universidade alegou que a instabilidade do Morro da Companhia decorre de obra mal executada, havendo responsabilidade exclusiva do corréu. O Município, por sua vez, sustentou que a verdadeira responsável seria a instituição de ensino, que teria se mantido inerte diante da ocupação da área.

Por fim, o autor se manifestou apontando que a suposta relação entre a ocupação do local e os riscos detectados não teria sido levantada por nenhum órgão técnico durante os 15 anos de investigação, diferentemente da ampliação da via.

Após avaliar as provas trazidas aos autos, a magistrada decidiu condeder a tutela por entender que “não se pode esperar indefinidamente por medidas”, já que a situação persiste há mais de uma década. Protelar uma solução, segundo a juíza, “equivale a assumir o risco pelo desastre que pode efetivamente se concretizar”.

Inicialmente, as obras deverão ser realizadas pelo Município, sem prejuízo de eventual responsabilização futura da UFRGS, caso fique comprovada a existência de culpa de sua parte. A decisão foi proferida em caráter liminar e ainda é passível de recurso junto ao TRF4.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5036691-23.2017.4.04.7100/RS

 

Veja mais Notícias

JFRS seleciona peritos judiciais em diversas especialidades médicas para atuar em Torres

20 de abril de 2018
A 25ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) está cadastrando peritos(as) na área médica para atuação no consultório da Sede da Unidade Avançada de Atendimento de TORRES (RS),

Instrução de aulas de pilates é privativa de profissionais de Educação Fìsica, decide Justiça Federal do RS

20 de abril de 2018
A 1ª Vara Federal de Cruz Alta (RS) determinou a um estúdio de pilates que providencie registro junto ao Conselho Regional de Educação Física / 2ª Região/RS (Cref/2RS) e

Justiça Federal leva audiência de conciliação para condomínio na zona sul de Porto Alegre

20 de abril de 2018
Com o intuito de encontrar uma solução pacífica e consensual para 122 litígios envolvendo vícios construtivos em imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida, a Justiça