Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal determina padronização dos atestados médicos em Porto Alegre (RS)

28 de agosto de 2017

A 6ª Vara Federal de Porto Alegre determinou a padronização dos atestados médicos emitidos durante atendimento prestado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e que prescrevem medicamentos ou insumos não constantes nas listas de fármacos fornecidos pelos entes públicos. A sentença, proferida no dia 22/8, é da juíza Daniela Cristina de Oliveira Pertile.

A Defensoria Pública da União (DPU) ingressou com ação contra o Município de Porto Alegre alegando que enfrenta problemas para obter medicamentos na rede pública para seus assistidos, principalmente pela via judicial, com os atestados médicos emitidos pelos profissionais do SUS. Narrou que, geralmente, no curso de processos, o juízo solicita novo documento e que o paciente possui dificuldades para agendar nova consulta para obter receita com informações mais detalhadas.

Em sua defesa, o Município sustentou que a competência para a questão era do Conselho Federal de Medicina, já que o atestado é parte integrante do ‘ato médico’. Argumentou que não pode baixar regulamento a respeito da profissão regulamentada por órgão de classe.

A magistrada analisou as provas e argumentações apresentadas ao longo da tramitação processual e pontuou que o direito à saúde “é inerente ao direito à vida, razão pela qual o Poder Público, em qualquer de suas esferas, deve desenvolver políticas públicas eficazes de redução do risco das doenças e seus agravos”. Para ela, o presente caso se incluiria justamente nessa questão.

“Entendo que a pretensão da Defensoria não fere a atribuição fiscalizatória e reguladora do Conselho Federal de Medicina quanto ao ponto. A busca da efetivação de um direito social fundamental, público e subjetivo do cidadão, não pode encontrar óbice em tal particularidade, em especial daqueles que necessitam de atendimento médico efetivo e célere”, destacou. 

Segundo a juíza, o argumento trazido pelo Município de que não poderia baixar regulamento sobre profissão normatizada por órgão de classe seria sem fundamento. Para ela, este processo pretende apenas o detalhamento da receita.

Daniela julgou procedente a ação determinado ao Município a padronização do atestado médico fornecido por profissionais do SUS que prescreverem medicamento ou insumos não constantes na lista de fármacos fornecidos pela rede pública ou em desconformidade com os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde. Sentença sujeita ao reexame necessário.

Confira abaixo o itens que devem estar presentes no atestado:

  1. nome do paciente;
  2. o diagnóstico codificado da(s) patoIogia(s) do paciente (CID);
  3. nome(s) do medicamento(s) ou insumo(s) de acordo com a denominação Comum Brasileira (DCB) ou, na falta dessa, a Denominação Comum Internacional (DCl);
  4. dose por unidade posológica (concentração) da medicação ou insumo;
  5. apresentação da medicação ou insumo (comprimido, cápsula, drágea, xarope, spray, etc.);
  6. posologia;
  7. duração do tratamento;
  8. informações sobre a urgência de inicio do tratamento;
  9. as consequências em caso de não aderir ao tratamento recomendado;
  10. informações sobre o uso de outras medicações, que devem ser especificadas, e se surtiram ou não o efeito desejado;
  11. a justificativa de prescrição de medicamento(s) ou insumo(s) não constante(s) nas listas de fármacos fornecidos pelos entes públicos ou em desconformidade com os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde, especificando se é mais eficaz e produz benefícios à saúde do paciente em relação ao fármaco disponível, se for o caso, na rede pública;

 AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5017802-55.2016.4.04.7100/RS

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000