Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal determina restabelecimento do Programa Nacional de Reforma Agrária

17 de agosto de 2017

A 9ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) proibiu a União e Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de adotar medidas que paralisem a reforma agrária. Eles também devem restabelecer o acesso às políticas públicas do Programa Nacional de Reforma Agrária (PNRA) aos beneficiários. A liminar, publicada ontem (17/8), é da juíza Clarides Rahmeier.

Autor da ação, o Ministério Público Federal (MPF) narrou que o Tribunal de Contas da União (TCU), a partir de informações obtidas de cruzamentos de dados entre sistemas, produziu acórdão apontando irregularidades na concessão de lotes do PNRA. Alegou que a decisão provocou paralisação da política de reforma agrária e impede 578 mil pessoas de acessarem os programas da área.

Segundo o MPF, as conclusões foram embasadas sem trabalho de campo e sem ouvir os beneficiários supostamente irregulares. Sustentou que o Incra contestou a metodologia e a legislação aplicada, o que levou o TCU a rever parcialmente o acórdão, mas foi mantido o ônus significativo aos participantes do PNRA com suspeita de irregularidades que estão impedidos de acessar política públicas indispensáveis à vida no campo e não tiveram oportunidade de defesa prévia.

Em sua defesa, a União afirmou que a decisão do órgão de controle é provisória e que os interessados podem demonstrar sua participação correta no programa de reforma agrária junto ao Incra. Argumentou ainda que o autarquia elaborou um plano de providências para sanar as irregularidades apontadas.

Já o Incra pontuou que apresentou esclarecimentos ao TCU demonstrando os equívocos na metodologia utilizada e as razões para afastar diversos indícios de irregularidades, e explicando que as medidas que impuseram a suspensão de atividades do PNRA e os bloqueios de beneficiários em massa são injustificadas e excessivas. Ressaltou também que está adotando, de forma constante, ações para aprimorar o processo de seleção de beneficiários, buscando incorporar as diretivas dos órgãos de controle.

Acesso à política de reforma agrária

Ao analisar o caso, a juíza federal substituta Clarides Rahmeier afirmou que ficou comprovado que o bloqueio dos benefícios foi prévio à possibilidade de contraditório e ampla defesa. Para ela, o TCU e o Incra feriram princípios constitucionais que orientam o devido processo legal, já que deveriam ter permitido que o beneficiários identificados com indícios de irregularidades pudessem se defender antes que as medidas impostas provocassem supressão de direitos.

“Em suma, ao Administrador Público não é dada a possibilidade de apelar à supremacia do interesse público, como se verificou neste caso, para descumprir as formalidades às quais se encontra vinculado, mais ainda quando se tratar de medidas que imponham ônus aos indivíduos – dito de outra forma, o interesse público não pode constituir-se em forma nebulosa de justificar decisões, principalmente quando estão em questão direitos fundamentais”, ressaltou. 

A magistrada também destacou que o “Constituinte estabeleceu o dever de o Estado buscar, de modo constante, continuado, a realização de medidas voltadas à reforma agrária”. Segundo ela, os dispositivos constitucionais “permitem concluir que a política em questão é de realização obrigatória e contínua, e, por tal razão, não cabe a sua cessação pelo Administrador Público”. As determinações do TCU ao Incra teriam implicado a paralisação dessas políticas públicas, levando seu esvaziamento.

A juíza reconheceu a relevância e importância da atuação do TCU na proteção da coisa pública e do trabalho do Incra como importante agente na conformação territorial rural. Entretanto, neste caso específico, para ela, “o modo de proceder ordenado pelo TCU e executado pelo INCRA incorre ilegalidade”.

Clarides deferiu a tutela de urgência determinando aos réus que restabeleçam o acesso aos benefícios do PNRA às pessoas apontadas pelo TCU como irregulares até que seja oportunizado o direito à defesa. Eles também não devem adotar medidas que paralisem a reforma agrária, como a suspensão da seleção de novos beneficiários ou assentamento de pessoas já selecionadas. Cabe recurso da decisão ao TRF4.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5026000-47.2017.4.04.7100/RS

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000