Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal divulga os resultados do 1º semestre de 2017 e planeja as metas para 2018

6 de setembro de 2017

Houve evolução no cumprimento da maior parte das metas em relação aos anos anteriores

O Comitê Gestor da Estratégia da Justiça Federal (Cogest) apresentou, nesta quinta-feira (31), o resultado do cumprimento das metas da JF em todo o país, no primeiro semestre de 2017. Na sessão, foram aprovados os parâmetros para o próximo ano e ainda uma nova meta, de sustentabilidade. A apresentação foi conduzida pela presidente do Conselho da Justiça Federal (CJF), ministra Laurita Vaz, e contou com a participação do vice-presidente do CJF, ministro Humberto Martins, e do corregedor-geral da Justiça Federal, ministro Mauro Campbell Marques, além de representantes dos Tribunais Regionais Federais (TRFs), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe).

“Os bons resultados não caem do céu, eles advêm de um exaustivo e cuidadoso planejamento”, afirmou Laurita Vaz, ao abrir a 6ª reunião do Cogest. A ministra destacou que a divulgação das metas faz parte do compromisso da Justiça Federal de manter um diálogo aberto e permanente com a sociedade. “Para angariar a credibilidade e o respeito da opinião pública, não basta realizar um trabalho sério, responsável e qualificado, é imprescindível que o trabalho seja amplamente divulgado. A prestação de contas não é uma opção, é um imperativo. A transparência é um dos pressupostos indispensáveis de um planejamento estratégico de qualidade.”

Lembrando a atual crise econômica do País, a presidente do Conselho ressaltou que um dos principais desafios da Justiça Federal é melhorar a prestação jurisdicional e, ao mesmo tempo, diminuir os gastos. “Diante da escassez dos recursos disponíveis, cada centavo do erário precisa ser empregado com a máxima eficiência, demandando dos gestores a busca por soluções criativas e inovadoras”, frisou.

Metas

Segundo o levantamento apresentado pelo Comitê, até julho deste ano, a meta 1 (produtividade) atingiu 98,6% de cumprimento. Para o próximo ano, foi mantido o parâmetro. A meta 2 (celeridade) é subdividida em três itens: julgar 100% dos processos distribuídos até 31/12/2012 nos 1° e 2° graus, com 88,3% de cumprimento; julgar 85% dos processos distribuídos em 2013 nos 1° e 2° graus, cumprida em 97%; e julgar 100% dos processos distribuídos até 31/12/2014 nos Juizados Especiais Federais e nas Turmas Recursais, que já marca 127,7% de cumprimento. Os índices da meta 2 foram mantidos para 2018.

A meta 3, que trata da conciliação, já foi totalmente cumprida nos primeiros seis meses de 2017 e os parâmetros serão mantidos no ano que vem. Já a meta 4 (improbidade administrativa) está com 64% de cumprimento. Os índices para 2018 foram mantidos e parte da meta 8 referente aos crimes contra a Administração Pública foram agregados à meta 4. A meta 5 (execuções não-fiscais) foi cumprida em 91,9% e teve os parâmetros mantidos para o próximo ano.

A meta 6 (ações coletivas) está com 75,8% de cumprimento e será mantida em 2018. Para esse indicador, foram estabelecidas faixas de cumprimento: 70%, 80% e 85% e, pelos resultados positivos, a 4ª Região passará a adotar a faixa de 85% de cumprimento, percentual já adotado pela 5ª Região. A meta 7 (ações criminais) atingiu 99% de cumprimento com relação aos processos baixados e 93,9% de processos julgados até agora e seus índices serão mantidos. Já a meta 8 (ações penais) foi cumprida em 40,8% e também terá os mesmos parâmetros no próximo ano.

Uma nova meta foi apresentada na reunião e aprovada para implementação a partir de 2018: redução de custos vinculada à sustentabilidade. Os percentuais ainda serão definidos.

“Houve alguns ajustes pontuais, que na verdade são aprimoramentos, sempre no objetivo de buscar a eficiência e a inovação, para que, mesmo com a escassez de orçamento e recursos humanos, se possa continuar avançando. Temos que ter agora criatividade para fazer mais com menos, para aproveitar o máximo possível os recursos públicos”, avaliou o secretário-geral do CJF, Cleberson José Rocha.

Ainda na reunião, o Cogest analisou 17 projetos estratégicos para aprimoramento da Justiça Federal em andamento e/ou em fase de desenvolvimento. Entre as iniciativas em estudo, estão um sistema unificado de emissão de certidões e outro de gestão de depósitos judiciais. O destaque foi o Sistema de Mapeamento da Justiça Federal (SISMAPA), ainda em fase de testes, que reúne dados geográficos e informativos da JF em todo o País. A ferramenta será aberta ao público e disponibilizará informações como: magistrados das unidades da Justiça Federal; número de processos recebidos, baixados, em andamento e julgados; e competência das Varas. As pesquisas poderão ser feitas por localização, nomes ou área de atuação. O SISMAPA foi desenvolvido pela Secretaria de Tecnologia da Informação (STI/CJF), com a parceria dos TRFs e orientação da Secretaria de Estratégia e Governança (SEG/CJF). O Comitê aprovou o sistema e o envio de resolução para o pleno do CJF regulamentando a implementação do Sismapa.

Despedida

Esta foi a última reunião do Cogest com a participação do ministro Mauro Campbell Marques, que deixa, no final de setembro, a Corregedoria-Geral da Justiça Federal e, por isso, não participará mais dos encontros do Comitê. A presidente do CJF aproveitou a ocasião para homenagear o magistrado pelo trabalho prestado ao Conselho. “O ministro fez um trabalho muito exaustivo aqui no CJF, tem uma visão muito ampla em relação à Justiça Federal e foi de grande auxílio a este Colegiado no tempo em que esteve aqui”, disse Laurita Vaz.

Ao agradecer a homenagem, Campbell Marques reforçou as declarações feitas pela ministra anteriormente sobre a necessidade de divulgação permanente das ações e conquistas da Justiça Federal para a sociedade. “É uma frustração ver essa incapacidade que a magistratura federal, infelizmente, ainda tem para fazer chegar à população números inegavelmente probos para prestar uma justiça célere e de qualidade que presta a nossa Justiça Federal”, afirmou o ministro.

O corregedor enalteceu ainda o trabalho dos membros e colaboradores do Conselho e da Justiça Federal. “Saio daqui envaidecido, porque aprendi muito e conheci muito a Justiça Federal, que, repito, é digna de aplausos. Parabéns e muito obrigado a todos os membros, servidores, colaboradores e estagiários que ajudam a fazer uma Justiça Federal que atenda aos anseios da sociedade”, finalizou.

Fonte: Imprensa CJF

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000