Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal extingue ação que pleiteava a suspensão do decretou que reajustou tributos incidentes sobre os combustíveis

14 de agosto de 2017

A inadequação da Ação Civil Pública (ACP) para o combate de matéria tributária encontra entendimento pacífico na jurisprudência. Com este fundamento, a 14ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) extinguiu o processo que buscava suspender os efeitos do decreto presidencial que reajustou as alíquotas de Pis e Confins. A sentença, do juiz Tiago Scherer, foi publicada na quinta-feira (10/8).

A seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RS) ingressou com a ação alegando que o aumento entrou em vigência de forma imediata, o que fere a Constituição Federal que prevê período de 90 dias para entrada em vigor de qualquer instituição ou majoração de tributos. A autora ainda argumentou que o ato do Governo Federal é ilegal, já que o dispositivo constitucional é expresso ao mencionar que a instituição ou modificação das contribuições sociais deve ocorrer mediante lei.

Ao analisar o caso, o magistrado afirmou que a lei da Ação Civil Pública proíbe o ajuizamento dessa espécie processual para veicular pretensões que envolvem tributos. Segundo ele, “apesar de a matéria suscitada nos autos envolver interesses difusos, não é possível ignorar sua natureza eminentemente tributária, tornando inafastável a aplicação do referido diploma legal. É dizer: as demais questões são meramente reflexas da matéria tributária vertida, vez que pretendida a suspensão do normativo que promoveu incremento dos ônus tributários sobre o consumo de combustíveis”.

O juiz ressaltou ainda que o Supremo Tribunal Federal tem vasta jurisprudência sobre a questão. “Portanto, a inadequação da ACP para o combate de imposições tributárias é matéria superada nos Tribunais, não podendo, aqui, ter outra solução”, concluiu.

Scherer extinguiu o processo sem resolução de mérito. Cabe recurso da decisão ao Tribunal Federal da 4ª Região.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5038311-70.2017.4.04.7100/RS

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000