Justiça Federal em Canoas (RS) nega pedido para suspender implantação do aeromóvel no município

Vista lateral de um trem sobre uma plataforma. Na lateral do trem, próximo à janela do condutor, se lê : aeromóvel Canoas

Projeto prevê 18 km de extensão e 24 estações

O juiz federal Fábio Hassen Ismael, da 2ª Vara Federal de Canoas (RS), indeferiu um pedido para determinar a suspensão de atividades relativas à implantação do sistema aeromóvel no município. A decisão, proferida em 19/12, tem caráter liminar.

A ação popular havia sido ajuizada por um advogado que buscava a interrupção dos trâmites para o lançamento do edital de concessão e do repasse de valores para implantação do serviço, previsto para iniciar já em 2018. Ele alegou que, até o momento não teria sido elaborado o Plano de Mobilidade Urbana municipal, que estabelece a política tarifária e outras diretrizes fundamentais para o funcionamento do sistema, como as formas de integração com a rede de transporte público já existente.

Aeromóvel do Brasil, Caixa Econômica Federal e Município de Canoas, réus na ação, contestaram. O primeiro sustentou que o prazo final para elaboração do plano de mobilidade urbana seria abril deste ano, conforme estabelecido por uma lei federal de 2012. Já o banco afirmou que a apresentação do plano não seria requisito para a concessão de financiamento, aprovado após seleção do projeto pelo Ministério das Cidades. Em sua manifestação, o Município listou o que considerou percalços à continuidade da implementação.

Ao decidir liminarmente o caso, o magistrado esclareceu que não estariam presentes os requisitos para a antecipação da tutela. Conforme destacou, o prazo para instituição do Plano de Mobilidade Urbana ainda não estaria encerrado e a contratação com a Caixa, motivo de análise do processo no juízo federal, teria seguido os ditames legais. Além disso, o próprio contrato prevê a devolução dos valores financiados em caso de eventual ilegalidade.

Ele também lembrou que o projeto teria iniciado em 2014, com um repasse financeiro significativo já realizado, mobilização de bens e maquinário , de fato que a suspensão requerida poderia acarretar maior insegurança ao seu cumprimento. “Por fim, e atento à fundamentação da manifestação do Município, acerca de suas dificuldades financeiras e reparos que opõe ao próprio projeto de implantação do Aeromóvel, convém ressaltar que eventual mudança de avaliação quanto ao projeto, seja por questões financeiras ou visão política, deve seguir os ditames da boa-fé e do regime de Direito Público, com adequação jurídica e arcando com ônus político, financeiro e orçamentário de sua desistência”, complementou.

Ismael indeferiu o pedido liminar. Cabe recurso ao TRF4.

AÇÃO POPULAR Nº 5014126-29.2017.4.04.7112/RS

Veja mais Notícias

JFRS: ex-reitor da Ulbra e filha são condenados por lavagem de dinheiro

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) condenou um ex-reitor da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra/Celsp) e sua filha pelo crime de lavagem de dinheiro. Outras três pessoas

JFRS condena dois homens presos com 42kg de cocaína em Gravataí

A 11ª Vara Federal de Porto Alegre condenou um brasileiro e um uruguaio que haviam sido presos transportando 42kg de cocaína. A sentença, do juiz federal substituto Ricardo

Justiça Federal em Cachoeira do Sul (RS) nega pedido de reinstalação de posto de pesagem na BR-290

A 1ª Vara Federal de Cachoeira do Sul julgou improcedente uma ação que solicitava a reinstalação de posto de pesagem de veículos no trecho da BR-290 que liga o município e a

JF Carazinho absolve acusados de fraude a licitação em Lagoa dos Três Cantos

A 1ª Vara Federal de Carazinho (RS) absolveu nove pessoas acusadas de frustrar o caráter competitivo de uma licitação realizada em 2010 no município de Lagoa dos Três Cantos.

Morte de coronel em base área de Canoas teve motivação política-ideológica decorrente do regime militar, declara JFRS

A 2ª Vara Federal de Canoas (RS) declarou que a morte de um coronel da Aeronáutica ocorrida em um quartel do município em 1965 teria sido motivada por questões