Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal em Rio Grande (RS) condena empresa e quatro pessoas por pescar polvo sem permissão

7 de agosto de 2017

A pesca desprovida de autorização legal subtrai do Poder Público a possibilidade de regular a atividade pesqueira e pode acarretar verdadeiro colapso do ecossistema marinho. Com este fundamento, a 1ª Vara Federal de Rio Grande condenou uma empresa de pescados e quatro pessoas ao pagamento de indenização por danos ambientais. A sentença, publicada na quinta-feira (3/8), é do juiz Adérito Martins Nogueira Júnior.

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com a ação civil pública contra o empreendimento comercial, os sócios e os proprietários da embarcação pedindo a reparação pelo dano realizado ao meio ambiente. Alegou que fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) surpreendeu o barco com aproximadamente 744 kg de polvo em junho de 2013. Sustentou que o pesqueiro não tinha permissão para captura do molusco e foi multado em R$ 24.880,00.

Os réus contestaram defendendo que o único responsável pela atividade era o mestre da embarcação. Também argumentaram que a pesca do polvo não é proibida na região, que não houve dano ambiental e que a penalidade administrativa seria medida suficiente para fins de prevenção de novas infrações.

Ao analisar o caso, o magistrado pontuou que a Constituição Federal estabelece o respeito ao meio ambiente como pressuposto da atividade econômica. “Desse modo, afigura-se essencial a racionalização da exploração dos estoques pesqueiros para a preservação do equilíbrio ambiental e restauração dos processos ecológicos essenciais envolvidos”, afirmou.

Segundo o juiz, o fundamento primário da responsabilidade em matéria ambiental é o princípio do poluidor-pagador, ou seja, aquele que lucra com o empreendimento responde pelos riscos ou desvantagens dele resultantes. “A indenização é devida pelo simples fato de existir a atividade da qual adveio o prejuízo, independente de culpa ou dolo”, destacou.

Para Nogueira Júnior, a ocorrência da infração ficou demonstrada nos autos, já que a licença de pesca não contemplava o polvo e, além disso, só foram encontrados equipamentos utilizados na captura do molusco na embarcação. Ele ressaltou que “a permissão para o exercício da atividade pesqueira em relação a determinadas espécimes observa o limite de esforço de pesca cabível para que não haja esgotamento do ecossistema respectivo, de modo que a realização da pesca por aquele que não possui autorização para tanto, justamente por incrementar aquele esforço já calculado para que não haja desequilíbiro ambiental, constitui, por si só, dano ambiental”.

O magistrado concluiu pela responsabilidade dos réus e não do mestre da embarcação, pois “o executor material do ato é, não raro, quem menos ingerência possui na organização da atividade e quem menos lucros aufere”. Nogueira Júnior julgou procedente a ação condenando a empresa e as quatro pessoas a pagar indenização de R$ 44.640,00, atualizada monetariamente desde a data do fato. Cabe recurso ao TRF4. 

OUTRAS NOTÍCIAS

JFRS afasta gestora do Hospital de Taquara e determina bloqueio de contas
14 de dezembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS) concedeu tutela de urgência determinando o imediato afastamento do Instituto de Saúde, Educação e Vida (ISEV) da administração do [Leia mais »]


JFRS: palestra abordou o fortalecimento dos vínculos comunitários para reduzir a incidência da violência entre jovens
13 de dezembro de 2017
Crianças e adolescentes das periferias, que possuem inúmeras necessidades não atendidas em função de políticas públicas frágeis, utilizam, muitas vezes, a agressividade [Leia mais »]


Ex-prefeito e ex-secretário de Segredo (RS) são condenados por irregularidades em reforma de ponte
12 de dezembro de 2017
Um ex-prefeito de Segredo e o ex-secretário de obras do município terão que devolver R$ 140 mil aos cofres públicos. Na última semana (6/12), eles foram condenados por [Leia mais »]


Reintegração de posse envolvendo 375 residências em Porto Alegre acontece de forma pacífica
7 de dezembro de 2017
Foi conduzida de forma pacífica e sem intercorrências uma reintegração de posse realizada ontem (6/12) na zona norte de Porto Alegre. O empreendimento Porto Novo, ocupado [Leia mais »]


TRF4 admite IRDR sobre produção de prova testemunhal para aposentadoria rural
7 de dezembro de 2017
É possível dispensar a produção de prova testemunhal em juízo para comprovação de labor rural, quando houver prova oral colhida em justificação realizada no processo [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000