Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal em Santa Cruz do Sul (RS) condena homem por falsificação de dinheiro

20 de julho de 2017

A 1ª Vara Federal de Santa Cruz do Sul condenou um morador de Rio Pardo pelo crime de falsificação de moeda. A sentença, publicada no dia 3/7, é da juíza Dienyffer Brum de Moraes.

O Ministério Público Federal (MPF) alegou que o homem teria pagado uma prostituta com uma nota falsa de R$ 100,00. Segunda a denúncia, ele foi preso em flagrante pela polícia militar por estar com outras três cédulas fraudulentas. Ao ser levado para exame de corpo de delito, o acusado afirmou que sofria de asma e estaria com falta de ar. De acordo com MPF, os agentes o levaram para buscar o aparelho de nebulização no local em que morava quando encontraram os equipamentos para falsificação de dinheiro.

Ao analisar o conjunto probatório anexado aos autos, a magistrada pontuou que o “bem jurídico protegido pela norma é a fé pública, ou seja, a segurança da sociedade na circulação monetária e a credibilidade do sistema financeiro”. Segundo ela, por esta razão não se aplica o princípio da insignificância aos crimes de moeda falsa.

“Por se tratar de delito de esperteza, raramente confessado, a prova do dolo deve atentar, especialmente, para as circunstâncias que envolvem os fatos, tais como a quantidade de cédulas encontradas em poder do agente, o modo de introdução em circulação, a reação no momento da apreensão, a verossimilhança da versão do réu para a origem das cédulas e o local onde guardadas ou acondicionadas”, afirmou.

A juíza destacou que o acusado, durante o interrogatório judicial, confirmou que guardava três cédulas falsas, mas que só as utilizava com a finalidade de ostentação. Para ela, a materialidade e autoria ficaram comprovadas ao longo da instrução processual.

Dienyffer julgou parcialmente procedente a ação condenado o homem a três anos e seis meses de reclusão e pagamento de multa. Por ser reincidente, não é possível a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direito. O regime inicial de cumprimento é o semiaberto, mas ele poderá recorrer em liberdade. Cabe recurso

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000