Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal em Santa Cruz do Sul (RS) condena homem por falsificação de dinheiro

20 de julho de 2017

A 1ª Vara Federal de Santa Cruz do Sul condenou um morador de Rio Pardo pelo crime de falsificação de moeda. A sentença, publicada no dia 3/7, é da juíza Dienyffer Brum de Moraes.

O Ministério Público Federal (MPF) alegou que o homem teria pagado uma prostituta com uma nota falsa de R$ 100,00. Segunda a denúncia, ele foi preso em flagrante pela polícia militar por estar com outras três cédulas fraudulentas. Ao ser levado para exame de corpo de delito, o acusado afirmou que sofria de asma e estaria com falta de ar. De acordo com MPF, os agentes o levaram para buscar o aparelho de nebulização no local em que morava quando encontraram os equipamentos para falsificação de dinheiro.

Ao analisar o conjunto probatório anexado aos autos, a magistrada pontuou que o “bem jurídico protegido pela norma é a fé pública, ou seja, a segurança da sociedade na circulação monetária e a credibilidade do sistema financeiro”. Segundo ela, por esta razão não se aplica o princípio da insignificância aos crimes de moeda falsa.

“Por se tratar de delito de esperteza, raramente confessado, a prova do dolo deve atentar, especialmente, para as circunstâncias que envolvem os fatos, tais como a quantidade de cédulas encontradas em poder do agente, o modo de introdução em circulação, a reação no momento da apreensão, a verossimilhança da versão do réu para a origem das cédulas e o local onde guardadas ou acondicionadas”, afirmou.

A juíza destacou que o acusado, durante o interrogatório judicial, confirmou que guardava três cédulas falsas, mas que só as utilizava com a finalidade de ostentação. Para ela, a materialidade e autoria ficaram comprovadas ao longo da instrução processual.

Dienyffer julgou parcialmente procedente a ação condenado o homem a três anos e seis meses de reclusão e pagamento de multa. Por ser reincidente, não é possível a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direito. O regime inicial de cumprimento é o semiaberto, mas ele poderá recorrer em liberdade. Cabe recurso

OUTRAS NOTÍCIAS

JFRS: servidor público federal adotante pode ter direito a licença de 120 dias, prorrogáveis por mais 60
22 de setembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) reconheceu, na terça-feira (19/9), o direito do servidor público federal, homem, ter licença adoção de 120 dias, prorrogáveis por mais [Leia mais »]


JF de Porto Alegre nega novo pedido para reabrir exposição “Queermuseu”
21 de setembro de 2017
A 8ª Vara Federal de Porto Alegre negou, nesta terça-feira (19/9), mais um pedido de liminar que solicitava a reabertura imediata da exposição “Queermuseu – Cartografias da [Leia mais »]


Mutirão de conciliação: União e proprietários negociam desapropriações para duplicação da BR-116
21 de setembro de 2017
A Justiça Federal do RS realiza, ao longo da próxima semana (25 a 29/9), um mutirão de conciliação envolvendo 63 ações de desapropriação de posse para a duplicação da [Leia mais »]


Conciliadores e Mediadores: troca de experiências marca encontro na Justiça Federal de Novo Hamburgo (RS)
19 de setembro de 2017
O Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscon) da Justiça Federal em Novo Hamburgo (RS) promoveu, na sexta-feira (15/9), o III Encontro de Conciliadores e [Leia mais »]


Processos que tratam de fator previdenciário na aposentadoria de professor são sobrestados
19 de setembro de 2017
A 3ª Seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), especializada em Direito Previdenciário, admitiu mais dois Incidentes de Resolução de Demandas Repetitivas [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000