Justiça Federal gaúcha garante vagas na UFPel pelo sistema de cotas

30 de agosto de 2017

A Justiça Federal em Pelotas (RS) julgou dois processos envolvendo o sistema de cotas e a Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Uma delas dizia respeito a uma estudante do curso de Medicina, enquanto a outra havia sido ajuizada por uma candidata ao cargo de Psicóloga no Hospital Escola da instituição. Em ambos os casos, o juízo validou as autodeclaraçãos de afro-brasileiro apresentadas pelos requerentes.

A universitária ingressou com a ação após ser desligada da vaga que ocupava sob a alegação de que teria fraudado o sistema de cotas. De acordo com a jovem, o único documento solicitado no edital do vestibular para a comprovação étnica seria a autodeclaração racial, assinada no momento da matrícula. Entretanto, passado um ano do ingresso, a instituição de ensino teria instituído banca para interrogar os estudantes sobre suposta fraude ao sistems.

Em sua defesa, a UFPel alegou que a autora não teria traços físicos típicos de pessoa parda. Assegurou ainda que, caso a autodeclaração esteja viciada ou vá de encontro às afirmações prestadas na entrevista realizada no ingresso, o cancelamento da matrícula seria legítimo.

Responsável pelo julgamento do litígio, o juiz federal Cristiano Bauer Sica Diniz levou em consideração o fato de a autora ter preenchido todos os requisitos previstos em edital. O magistrado elogiou as medidas implantadas pela universidade para aperfeiçoar o ingresso pelo sistema de cotas, mas apontou que os novos critérios não poderiam ser adotados de forma retroativa.

No caso envolvendo o concurso público, a candidata também foi desclassificada sob a alegação de que não teria fenótipo que pudesse lhe classificar como parda. A mulher ingressou com processo apontando irregularidades por parte da comissão responsável pela sua avaliação étnica.

O juiz federal Cláudio Gonsales Valério julgou a ação procedente por entender que a banca avaliadora não teria apontado de forma clara e minuciosa os motivos pelos quais desconsiderou a autodeclaração apresentada, tendo apenas se limitado a apontar, em formulário padronizado, se considerava a candidata parda ou não. Segundo Valério, “não se pode admitir a invalidação da autodeclaração baseada em critérios de fundamentação tão precários como os elencados pela banca do concurso”.

Ambas as decisões julgaram procedentes as ações e asseguraram às autoras o direito de permanecer e concorrer pelo sistema de cotas às vagas em questão. Cabe recurso ao TRF4.

Veja mais Notícias

TRF4: eproc é o sistema eletrônico preferido do Judiciário Federal, aponta pesquisa do CJF

22 de junho de 2018
O eproc- processo eletrônico desenvolvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4)- é o sistema judicial preferido por 78,3% dos usuários do Judiciário Federal. O

Homem flagrado transportando meia tonelada de maconha é condenado pela JF Rio Grande (RS)

20 de junho de 2018
A 2ª Vara Federal de Rio Grande condenou um homem a 11 anos e dez meses de prisão por tráfico internacional de drogas. Ele foi flagrado tentando sair do Brasil com mais de meia

Entidades se reúnem na Justiça Federal do RS para conhecer alternativas de conciliação em meio eletrônico

20 de junho de 2018
  A conciliação em meio eletrônico foi tema de encontro que aconteceu na manhã de hoje (20/6), na sede da Justiça Federal em Porto Alegre. Advocacia-geral da União (AGU),