Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Justiça Federal gaúcha garante vagas na UFPel pelo sistema de cotas

30 de agosto de 2017

A Justiça Federal em Pelotas (RS) julgou dois processos envolvendo o sistema de cotas e a Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Uma delas dizia respeito a uma estudante do curso de Medicina, enquanto a outra havia sido ajuizada por uma candidata ao cargo de Psicóloga no Hospital Escola da instituição. Em ambos os casos, o juízo validou as autodeclaraçãos de afro-brasileiro apresentadas pelos requerentes.

A universitária ingressou com a ação após ser desligada da vaga que ocupava sob a alegação de que teria fraudado o sistema de cotas. De acordo com a jovem, o único documento solicitado no edital do vestibular para a comprovação étnica seria a autodeclaração racial, assinada no momento da matrícula. Entretanto, passado um ano do ingresso, a instituição de ensino teria instituído banca para interrogar os estudantes sobre suposta fraude ao sistems.

Em sua defesa, a UFPel alegou que a autora não teria traços físicos típicos de pessoa parda. Assegurou ainda que, caso a autodeclaração esteja viciada ou vá de encontro às afirmações prestadas na entrevista realizada no ingresso, o cancelamento da matrícula seria legítimo.

Responsável pelo julgamento do litígio, o juiz federal Cristiano Bauer Sica Diniz levou em consideração o fato de a autora ter preenchido todos os requisitos previstos em edital. O magistrado elogiou as medidas implantadas pela universidade para aperfeiçoar o ingresso pelo sistema de cotas, mas apontou que os novos critérios não poderiam ser adotados de forma retroativa.

No caso envolvendo o concurso público, a candidata também foi desclassificada sob a alegação de que não teria fenótipo que pudesse lhe classificar como parda. A mulher ingressou com processo apontando irregularidades por parte da comissão responsável pela sua avaliação étnica.

O juiz federal Cláudio Gonsales Valério julgou a ação procedente por entender que a banca avaliadora não teria apontado de forma clara e minuciosa os motivos pelos quais desconsiderou a autodeclaração apresentada, tendo apenas se limitado a apontar, em formulário padronizado, se considerava a candidata parda ou não. Segundo Valério, “não se pode admitir a invalidação da autodeclaração baseada em critérios de fundamentação tão precários como os elencados pela banca do concurso”.

Ambas as decisões julgaram procedentes as ações e asseguraram às autoras o direito de permanecer e concorrer pelo sistema de cotas às vagas em questão. Cabe recurso ao TRF4.

OUTRAS NOTÍCIAS

JF Bento Gonçalves: homem flagrado com mais de uma tonelada de maconha condenado a 6,5 anos
22 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bento Gonçalves (RS) condenou um homem a seis anos e seis meses de reclusão, por tráfico internacional de entorpecentes. Ele havia sido preso em flagrante [Leia mais »]


Justiça Federal determina devolução de quase R$ 2 milhões do contrato do Montanha dos Vinhedos
21 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bento Gonçalves (RS) condenou a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Município daquela localidade pelo não-cumprimento do contrato do convênio que visava [Leia mais »]


Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000