Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Menino com doença rara poderá ser tratado em casa, decide JFRS

13 de julho de 2017

A Justiça Federal em Santa Rosa (RS) concedeu a um pequeno morador do município o direito de se beneficiar do carinho da família e do conforto do lar enquanto realiza o tratamento para Amiotrofia Muscular Espinhal (AME). Na antecipação de tutela concedida ontem (12/7), o juiz federal Rafael Lago Salapata determinou que o Fundo Municipal de Saúde forneça todo o apoio necessário para que ele receba os cuidados de que precisa em casa.

O menino de nove anos ingressou com a ação representado por sua mãe. Portador da doença, que causa atrofia muscular e compromete o sistema respiratório, ele passou os primeiros cinco anos de vida em internação hospitalar, tendo se mantido, pelos quatro anos seguintes, sendo tratado pelo sistema de “home care”. O atendimento era financiado pelo Estado do Rio Grande do Sul, mas uma decisão em instância superior fez com que ele retornasse à Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) pediátrica.

Segundo a parte autora, o retorno ao ambiente hospitalar tem causado o agravamento do quadro de saúde da criança e dificuldades no desenvolvimento cognitivo e psicomotor. Além disso, o contato com os familiares estaria restrito, já que o menino se encontra em internamento coletivo.

A genitora também informou ter obtido recentemente, mediante doação, um aparelho de ventilação mecânica. Comunicou, ainda, ter concluído a formação como técnica em enfermagem. Por fim, ela teria demonstrado o menor custo do tratamento residencial em comparação com o leito hospitalar.

Evolução com o tratamento em casa

Na sua residência, o pequeno paciente recebia atendimento educacional especializado, fisioterapia e acompanhamento fonoaudiológico. Ao analisar o pedido de liminar, o magistrado levou em consideração uma série de laudos apresentados por profissionais que acompanharam o caso. “A riqueza de detalhes trazidos pelos profissionais que acompanham o desenrolar da patologia do autor nos últimos anos torna verossímeis as alegações tecidas na inicial e confere plausibilidade à argumentação jurídica nela esgrimida, no sentido de que a internação domiciliar é medida necessária para assegurar, no caso concreto, o núcleo essencial dos direitos fundamentais em discussão”, disse.

Ele também destacou que, durante o tempo em que permaneceu no ambiente familiar, o garoto conheceu a vida fora e ao ar livre, aumentou sua imunidade e apresentou um desenvolvimento dentro dos limites que a doença impõe, mas que lhe permite interagir com as pessoas. “Hoje é um estudante, recebe acompanhamento educacional, desenvolve suas cognições e evolui a cada dia”, continuou.

“Retornar ao hospital significa que será privado de todos os benefícios que usufrui, e voltará a correr grande risco de infecções recorrentes que a longa permanência hospitalar predispõe, importa lembrar neste sentido, que o ambiente hospitalar para paciente em ventilação mecânica – respirar por aparelhos – proporciona riscos de morte por bactérias multirresistentes. Dessa forma, sua vida poderá ser abreviada ao voltar e viver confinado no hospital”, avaliou.

Direito prioritário à saúde

Em relação aos aspectos legais, Salapata lembrou que o Brasil tem se comprometido, no âmbito do Direito Internacional, a conferir especial proteção à criança. “Denota-se, dos autos, que a União, no âmbito administrativo, não têm atentado para o regramento legal, ao deixar de fornecer aos infantes linhas de cuidado voltadas a necessidades básicas da saúde infantil, especialmente no que toca à garantia de atendimento contextualizado com os direitos à educação, contato familiar e comunitário e desenvolvimento cognitivo”, afirmou. “Mais do que isso, não promoveu, até o presente momento, políticas públicas eficientes na área de assistência domiciliar capazes de atentar para as necessidades de crianças doentes ou deficientes que estejam em situações semelhantes ou análogas à do autor”, disse.

“Neste ponto, a pergunta central a ser respondida, ao ver do julgador é: mostra-se razoável, proporcional e coerente com a ordem constitucional condenar uma criança a passar desnecessariamente toda a sua infância em um quarto hospitalar de UTI? Acredito que, no caso específico, a resposta deva ser negativa”, assegurou.

O magistrado concedeu os efeitos da antecipação de tutela e determinou que a Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa forneça os insumos e disponibilize equipe multidisciplinar necessários ao tratamento do requerente em sua residência, por período indeterminado e de modo contínuo. Os custos deverão ser integralmente ressarcidos pela União, mediante repasses diretos e periódicos do Fundo Nacional de Saúde.

“A elogiável visão humanizada e comunitária flagrantemente assumida pela Gestão Municipal da Saúde de Santa Rosa parece direcionar o litígio à proximidade de um desfecho favorável, independentemente da atuação do Ente Federal – este que, infelizmente, sequer compareceu em audiência”, comentou.

Cabe recurso ao TRF4.

OUTRAS NOTÍCIAS

JFRS afasta gestora do Hospital de Taquara e determina bloqueio de contas
14 de dezembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS) concedeu tutela de urgência determinando o imediato afastamento do Instituto de Saúde, Educação e Vida (ISEV) da administração do [Leia mais »]


JFRS: palestra abordou o fortalecimento dos vínculos comunitários para reduzir a incidência da violência entre jovens
13 de dezembro de 2017
Crianças e adolescentes das periferias, que possuem inúmeras necessidades não atendidas em função de políticas públicas frágeis, utilizam, muitas vezes, a agressividade [Leia mais »]


Ex-prefeito e ex-secretário de Segredo (RS) são condenados por irregularidades em reforma de ponte
12 de dezembro de 2017
Um ex-prefeito de Segredo e o ex-secretário de obras do município terão que devolver R$ 140 mil aos cofres públicos. Na última semana (6/12), eles foram condenados por [Leia mais »]


Reintegração de posse envolvendo 375 residências em Porto Alegre acontece de forma pacífica
7 de dezembro de 2017
Foi conduzida de forma pacífica e sem intercorrências uma reintegração de posse realizada ontem (6/12) na zona norte de Porto Alegre. O empreendimento Porto Novo, ocupado [Leia mais »]


TRF4 admite IRDR sobre produção de prova testemunhal para aposentadoria rural
7 de dezembro de 2017
É possível dispensar a produção de prova testemunhal em juízo para comprovação de labor rural, quando houver prova oral colhida em justificação realizada no processo [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000