Mutirão na JF Santa Cruz do Sul (RS) termina com 209 acordos em um único dia

A Justiça Federal em Santa Cruz do Sul (RS) promoveu, no dia 29/6, um mutirão de conciliação envolvendo ações contra a Caixa Econômica Federal. Dos 210 processos pautados, 209 encerraram com acordo, a maior quantidade registrada em um único dia na subseção e uma dos maiores do Estado. As negociações chegaram a quase R$ 380 mil.

A iniciativa foi promovida pela 2ª Vara Federal local, em parceria com o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscon). Os litígios diziam respeito a pedidos de indenização por danos morais ajuizados por servidores da Prefeitura Municipal de Candelária em razão do bloqueio de seus cartões magnéticos. A restrição foi realizada pela Caixa para evitar o saque da remuneração creditada, equivocadamente, em duplicidade para os servidores.

Conduziram as tratativas o juiz federal Ricardo Alessandro Kern e a servidora Alessandra de Souza Kley, coordenador e supervisora do Cejuscon, respectivamente, e Diego Luiz Leal, diretor de Secretaria da 2ª Vara Federal. Além deles, participaram do mutirão Rubem Knijnik Lucion, procurador da Caixa, e os procuradores dos autores das ações.

Amplamente utilizada na Justiça Federal gaúcha, a conciliação é um mecanismo oficial e permanente de pacificação e solução de conflitos. Ao colocar as partes lado a lado em busca de um acordo, a prática proporciona agilidade, economia de recursos e maior satisfação com o resultado final.

Veja mais Notícias

Fazenda do RS é proibida de dissecar animais para dar aulas de anatomia

Um dos passeios oferecidos a alunos de 6ª a 8ª séries era a uma fazenda onde animais eram dissecados e usados em aulas de anatomia. A Justiça Federal acabou com essa prática.

Justiça Federal em Santa Maria (RS) condena paraguaio preso com mais de 100kg de cocaína

A 2ª Vara Federal de Santa Maria condenou um paraguaio por tráfico internacional de drogas. Ele foi preso com mais de 100kg de cocaína enquanto trafegava pela BR-158 no

Justiça Federal do RS condena Corinthians, construtora Odebrecht, Arena Itaquera e ex-presidente da Caixa a devolver R$400 milhões

Um repasse milionário de dinheiro público, captado por uma empresa privada especialmente criada para este fim e com capital social no valor de R$ 1 mil, embasado em garantias