ECA

Justiça Federal em Caxias do Sul condena homem por disponibilizar pornografia infantojuvenil

25 de fevereiro de 2021 - 15:15
Um homem vestindo um moletom preto e com capuz cobrindo o rosto está usando um latptop

A 5ª Vara Federal de Caxias do Sul condenou um homem por disponibilizar 92 vídeos e fotos com pornografia envolvendo crianças e adolescentes. A sentença, publicada na terça-feira (23/02), é do juiz Rafael Farinatti Aymone.

Autor da ação, o Ministério Público Federal narrou que o acusado de forma continuada, no período compreendido entre maio de 2014 a maio de 2016, armazenou e disponibilizou 92 vídeos e fotos diferentes com conteúdo pornográfico infantojuvenil por meio de um programa de computador peer-to-peer. Segundo a denúncia, o compartilhamento resultou na transmissão de 451 cópias totais ou parciais dos arquivos para diferentes usuários.

Em sua defesa, o réu alegou falta de prova das acusações, já que ficou claro que ele acreditava não estar cometendo crime de compartilhamento de pornografia infantojuvenil, apesar de ter algum conhecimento quanto a utilização do programa. Sustentou que o compartilhamento ocorreu quando baixava arquivos para sua própria visualização, mas que não deu o comando de compartilhar qualquer material.

Ao analisar o conjunto probatório anexado aos autos, o juiz federal substituto Rafael Farinatti Aymone apontou que, dos arquivos encontrados, “92 deles foram classificados como “child notable”, que configuram claramente cenas de sexo explícito e/ou pornográficas envolvendo crianças e adolescente”. Assim, o “conteúdo, portanto, encontra perfeito enquadramento na definição do art. 241-E da Lei n.º 8.069/90”.

“O acusado, portanto, admite que ao baixar arquivos de pornografia infantojuvenil possibilitava o compartilhamento automático destes arquivos com terceiros, que de outra forma teriam que buscar por conta própria o acesso ao material. Nesse sentido, ainda que o acusado não tenha dado o “comando de compartilhar qualquer arquivo“, como afirma a defesa, ele disponibilizou conscientemente material de conteúdo pornográfico envolvendo criança ou adolescente, pois tinha conhecimento pleno do programa de compartilhamento utilizado e dos mecanismos de compartilhamento, seja durante o download, seja através da pasta de compartilhamento”, concluiu o juiz.

Para Aymone, ficou comprovado a materialidade, a autoria e o dolo da conduta delitiva. Ele julgou procedente a ação condenando o homem a cinco anos de reclusão e pagamento de multa. Cabe recurso da decisão ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do laboratorio de inovacao da JFRS Logotipo do memorial da JFRS Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br