Este Portal utiliza a tecnologia de cookies para melhorar sua experiência de navegação.

Para maiores informações, acesse nossa página de Política de Privacidade.

Conciliação e inovação

Ação envolvendo abordagem e remoção de pessoas em situação de rua pode ser resolvida através do Design Thinking

6 de dezembro de 2021 - 19:36
diversas pessoas sentadas em cadeiras disponibilizadas em semi círculo dentro de um espaço separado por uma divisória de vidro espaço inovação
Representantes de diversos órgãos aceitaram participar da iniciativa

A 2ª Vara Federal de Porto Alegre propôs uma forma inovadora para construir uma solução consensual para uma ação envolvendo a abordagem e remoção de pessoas em situação de rua na capital. Usar a ferramenta Design Thinking para buscar uma melhoraria do protocolo atual utilizado pelos órgãos e agentes municipais.

A juíza federal Daniela Toccheto Cavalheiro, responsável pelo processo e coordenadora do Laboratório de Inovação da JFRS (iNOVATCHÊ), agendou uma rodada de conversa, na sexta-feira (3/12), para apresentar a ideia. Estavam presentes o defensor público da União Georgio Endrigo Carneiro da Rosa (DPU); Kátia Lara Martins e a advogada Letícia Brum Ineu, representando a Fundação de Assistência Social e Cidadania; a procuradora do Município de Porto Alegre Caroline Lengler; o procurador da República Fabiano de Moraes (MPF); o promotor de Justiça Edes Ferreira dos Santos Cunha e a procuradora de Justiça Noara Bernardy Lisboa (MPE); Bruno Wagner da Silva e Sérgio Roberto de Oliveira, representando a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade; o secretário municipal de Segurança Pública Mário Ikeda; e Marcelo do Nascimento, representando a Guarda Municipal de Porto Alegre. Também participaram, pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana, o diretor Paulo Marques, Alexandre Friedrich dos Santos e o procurador André Marino Alves; pela Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre, o presidente Paulo Ramires e o procurador Dr. André Fortes; pela Secretaria Municipal de Saúde, a médica psiquiatra Cristiane Strake e a psicóloga Letícia Quarti Soares; pela Secretaria do Desenvolvimento Social de Porto Alegre, o secretário Léo Voigt; e o professor universitário Rodrigo Nunes, apoiador do Movimento Nacional da População de Rua e representante da sociedade civil no Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento da Política Municipal para a População em Situação de Rua.

Juíza Daniela, loira, vestindo um macacão vermelho , em pé falando. ao lado, sentados em cadeiras dispostas em semi círculo, estão 3 homens e uma mulher.
Magistrada explica ideia do projeto

A magistrada destacou que a intenção na utilização de métodos inovadores é “se libertar da ideia da lide para fazer algo diferente”. Por isso, o encontro aconteceu no Espaço Inovação da instituição, onde foi apresentado o iNOVATCHÊ e a forma como trabalha.

Os presentes participaram de uma dinâmica, que tinha por objetivo integrar, promover empatia, reflexão e criatividade, além de incentivar a colaboração, a construção de rede de apoio e difundir a horizontalidade. Ao final, foi apresentado a ferramenta Design Thinking e a proposta para utilizá-la para se resolver, pelo menos, alguns pontos do problema envolvido na ação. Todos concordaram e, a partir de agora, o processo foi encaminhado para o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania que, em parceria com o iNOVATCHÊ, vão trabalhar com os presentes no projeto de abordagem humanizada aos moradores de rua da cidade de Porto Alegre.

Homem, negro, usando termo, está atrás de quadro com diversos post it, na frente dele se vê outras pessoas sentadas em cadeiras dispostas em semi círculo.
Os presentes participaram de uma dinâmica em dos ambientes do Espaço Inovação

O que é design thinking?

Design thinking é o termo utilizado para se referir ao processo de pensamento crítico e criativo, possibilitando a organização de ideias de modo a estimular tomadas de decisão e a busca por conhecimento. Não se trata de um método específico, mas sim de uma forma de abordagem.

Em outras palavras, o design thinking não traz uma fórmula específica para sua implantação. Em vez disso, ele cria as condições necessárias para maximizar a geração de insights e a aplicação prática deles. A ideia é que o processo seja realizado de forma coletiva e colaborativa, de modo a reunir o máximo de perspectivas diferentes.

Ilustração apresenta os pilares do desingn thunking. Empatia: dentro de um coração está escrito foco no ser humano! se colocar no lugar do outro. mapear as necessidades e oportunidades. colaboração: dentro de um círculo está escrito conexão entre diferentes áreas. trabalho em conjunto. múltiplas perspectivas. diversidade gera soluções inovadoras. experimentação: dentro de um quadrado está escrito aprender fazendo. prototipar ideias e validar hipóteses. errar cedo para corrigir logo.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5053278-52.2019.4.04.7100/RS

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do laboratorio de inovacao da JFRS Logotipo do memorial da JFRS Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br