INOVAÇÃO

Agenda 2030: instituições se reúnem em busca de soluções inovadoras para acessibilidade e inclusão

30 de outubro de 2019 - 18:41

Com foco no Objetivo 16 da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, o Laboratório de Inovação da Seção Judiciária do RS inicia, na próxima semana, um projeto de parceria interinstitucional com vistas ao aprimoramento da acessibilidade e da integração no chamado “Centro Administrativo Federal”. Em seis etapas, representantes de nove instituições federais com sede no entorno do Parque Harmonia, em Porto Alegre, utilizarão ferramentas de design thinking para criar empatia, compreender as necessidades de acessibilidade do público que frequenta o perímetro, idealizar e prototipar alternativas e propostas de solução.

As atividades serão conduzidas pelos laboratoristas do Inovatchê e contarão com a participação de membros e servidores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Procuradoria da República do RS, Procuradoria da República da 4ª Região, Defensoria Pública da União, OAB/RS, Receita Federal, Ministério da Economia no RS, SERPRO e IBGE. Entidades de defesa dos direitos das pessoas com deficiência também serão convidadas a participar.

Segundo a coordenadora do Inovatchê, juíza federal Daniela Tocchetto Cavalheiro, destaca a oportunidade de fomentar uma cultura de inovação no serviço público. “As instituições que prestam serviço público precisam estar alinhadas com as transformações que acontecem no mundo. Inovar é mais do que melhorar o que já vem sendo feito, é ir além e identificar que necessidades não estão sendo satisfeitas, que oportunidades não estão sendo aproveitadas, e utilizar técnicas e metodologias que tenham foco nas pessoas, porque é para elas que prestamos serviço”, explica Daniela.

Já supervisora do Laboratório de Inovação da SJRS, Niriane Neuman, explica que o uso de ferramentas de design thinking permitirá maior compreensão das questões relacionadas a acessibilidade e inclusão.  “Falar em promover acessibilidade e inclusão é falar em atender necessidades humanas, e é a isso que a metodologia de Design Thinking se propõe, pois tem como base o foco total no ser humano, considerando suas experiências, sentimentos e necessidades”, esclarece. “O Design Thinking, é um grande aliado para a compreensão da complexidade que envolve os temas a serem trabalhados, proporcionando, por meio do trabalho coletivo e horizontal, oportunidades de sensibilização para as questões propostas e para a ideação de soluções mais efetivas”, completa.

A primeiras etapas do projeto acontecem nos dias 4, 5 e 6 de novembro, nas sedes do TRF4, da PR/RS e da RFB.

Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sutentável

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) integram uma agenda estabelecida em 2015  pelas Nações Unidas, considerada fundamental para acabar com a pobreza, promover a prosperidade e o bem-estar para todos, proteger o meio ambiente e enfrentar as mudanças climáticas. O objetivo 16 diz respeito, entre outros, à promoção do Estado de Direito, a garantia de igualdade de acesso à justiça para todos, o desenvolvimento de instituições eficazes, responsáveis e transparentes e a garantia de tomada de decisão responsiva, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis. Para saber mais sobre o tema, acesse a Cartilha de Perguntas e Respostas dos ODS.

Outros objetivos abrangidos pelo projeto são os de números 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis e 17 – Parcerias e Meios de Implementação.

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br