Notícia

JFRS condena Furg por negligência na assistência prestada em parto que deixou criança com graves sequelas

15 de junho de 2016 - 17:11
A 1ª Vara Federal de Rio Grande condenou a Fundação Universidade Federal do Rio Grande (Furg) a pagar indenização moral e pensão vitalícia a uma criança. O hospital da instituição não teria prestado assistência adequada durante o parto, o que teria deixado a menina com graves sequelas. A sentença, da juíza Marta Siqueira da Cunha, foi publicada no dia 8/6. A mãe ingressou com a ação contra a Furg, a Fundação de Apoio ao Hospital de Ensino do Rio Grande (Faherg) e o obstreta que acompanhou sua gestação e realizou o parto. Relatou que, em outubro de 2005, teve um sangramento na 36ª semana, mas que o médico afirmou ser normal. Dois dias depois, sentindo dor, o profissional solicitou que ela fosse ao hospital universitário, onde foi atendida por enfermeiros e médicos residentes que a liberaram sem realização de exames e afirmando que não estaria na hora do nascimento do bebê. A autora contou que precisou retornar ao local em função de fortes dores e que, após longa espera, o seu médico apareceu para realizar o parto. Sustentou ainda que foi utilizado o fórceps, que a filha nasceu com anóxia neonatal grave, que teve que ser reanimada e passou duas semana na UTI. Ela afirmou ainda que a menina ficou com sequelas e precisa de tratamento contínuo de fisioterapia e ortopedia, entre outros. Em sua defesa, o obstreta defendeu que a paralisia cerebral da criança decorreu de motivos naturais, não sendo causada em função do parto. Pontuou que a técnica foi devidamente aplicada e que as complicações decorreram de situações externas. Argumentou ainda que não há procedimento médico isento de risco, já que o organismo humano pode reagir de maneira anômala ao tratamento, ao medicamento ou a técnica aplicada. Por sua vez, a Furg afirmou que as dificuldades ocorridas durante o parto não podem ser atribuídas a qualquer comportamento dos servidores e médicos residentes do hospital universitário. Ressaltou que todos os procedimentos foram corretamente adequados e que os problemas ocorridos decorreram essencialmente da falta de colaboração e inexperiência da parturiente. Em relação à Faherg, o juízo reconheceu a ilegitimidade da instituição para estar no pólo passivo da ação por atuar em auxílio à Furg. Segundo a decisão, não teria ficado demonstrado a ocorrência de qualquer ato autorizativo, comissivo ou omissivo da entidade que justifique sua responsabilização. Responsabilização civil do Estado  Ao longo da tramitação processual foram realizadas perícias judiciais com neurologista e obstetra que responderam aos quesitos formulados pela parte autora e pelas defesas. Ao analisar o caso, a juíza ressaltou que, ao se avaliar a responsabilidade civil em face de atos de atendimento médico realizados em hospitais públicos, é preciso verificar a adequação do serviço prestado, sua regularidade e não necessariamente os efeitos do tratamento aplicado. Para a Marta, as provas colhidas na ação demonstraram que teriam havido condutas negligentes por parte do hospital e do médico, o que teria retirado a chance da menina nascer com segurança. Ela destacou que o laudo pericial afirmou que “não tendo sido realizado o acompanhamento por ausculta em intervalos regulares, não foram produzidos elementos para que fosse feita a análise sobre a necessidade de realização de exame de cardiotocografia, o que, sem sombra de dúvidas, possibilitaria desfecho diverso do ocorrido, evitando-se o sofrimento fetal e o quadro de anoxia grave”. A magistrada concluiu então que o parto não teria sido devidamente assistido. Segundo ela, a avaliação médica, que seria responsabilidade dos réus, “não foi realizada adequadamente, justamente por não ter havido um monitoramento com o fito de evitar o sofrimento fetal e a consequente realização do parto cirúrgico, havendo claro nexo entre a desídia na conduta do procedimento e o resultado”. Ao mencionar os apontamentos feitos nos laudos periciais, Marta ressaltou que a criança possui sequelas neurológicas graves e irreversíveis que determinaram sua incapacidade para todos os atos da vida civil, necessitando permanentemente de auxílio na vida diária. Ela mencionou ainda que a menina “jamais poderá trabalhar, pois apresenta perda da coordenação motora, ausência de fala e outras lesões neurológicas”. Além disso, o perito informou que ela precisa de uma série de terapias, como fonoaudiologia, estimulação cognitiva e correções cirúrgicas ortopédicas. A magistrada, entretanto, pontuou que deveria ser reconhecida do médico para compor o pólo passivo da ação. “Isso porque, em se tratando de pretensão de reparação de danos decorrente de suposta conduta ilícita do agente público, o regime jurídico constitucional de responsabilização não permite seu acionamento direto perante o Poder Judiciário. A demanda deve ser movida apenas contra a pessoa jurídica de direito público que, na hipótese de condenação, pode exercer eventual direito de regresso contra o médico”, destacou. Marta julgou parcialmente procedente a ação condenando a Furg a pagar indenização por danos morais à mãe e à criança de R$ 100 mil e R$ 200 mil, respectivamente. A fundação também receberá pensão mensal vitalícia à menina no valor de cinco salários mínimos, que será devido desde outubro de 2005. Cabe recurso da decisão ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br