Este Portal utiliza a tecnologia de cookies para melhorar sua experiência de navegação.

Para maiores informações, acesse nossa página de Política de Privacidade.

habitação

JF não pode intervir nas políticas do Executivo para decidir sobre moradias indígenas

25 de novembro de 2019 - 17:45

A 9ª Vara Federal de Porto Alegre julgou improcedente uma ação cuivil pública em que o Ministério Público Federal (MPF) pleiteava a construção de trinta moradias em favor de famílias indígenas, na região metropolitana. A decisão, publicada em 20/11, é do juiz federal Marcelo de Nardi.

O MPF ajuizou a ação em 2017 contra União, Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e Departamento Municipal de Habitação (Demhab), relatando que a tribo ocupa certa área em Porto Alegre há mais de 25 anos, e que aguarda desde 2001 a construção das casas. Nada além de medidas paliativas teria sido realizado pela FUNAI ou pelo Demhab, para assegurar aos Guaranis “moradia com o mínimo de dignidade”, afirmou o autor.

De acordo com o MPF, teria havido omissão da FUNAI, deixando as moradias existentes em desacordo com a cartilha Direito à Moradia Adequada, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. O autor considerou configurada violação do direito constitucional à moradia e ofensa à dignidade da pessoa humana.

Os réus pleitearam a ilegitimidade passiva, cada um responsabilizando o outro pela implantação das políticas de moradia e construção das casas. No entanto, estas preliminares foram rejeitadas pelo juízo.

No que diz respeito ao mérito da ação, entretanto, o juiz federal Marcelo de Nardi considerou que o pedido seria inviável. A pretensão do MPF “esbarra em dispositivos de ordem constitucional e infraconstitucional que regem a responsabilidade fiscal e o regime de contratações públicas”, afirmou o magistrado.

De Nardi explicou que, apesar das péssimas condições de moradia retratadas no caso, a intervenção do Judiciário encontra limites no princípio da separação dos Poderes, citando que a jurisprudência do STF já aponta neste sentido. Esta coercibilidade frente ao Executivo só poderia ocorrer dadas condições graves de violação de direito constitucional em função de omissão, o que não seria o caso. O direito social à moradia “deve ser prestado observando-se as capacidades do Estado de provê-la, considerando a tese da reserva do possível na aplicação dos sempre escassos recursos públicos”, afirmou o juiz. Ele ainda salientou que o ritmo das iniciativas públicas de habitação é menor do que a necessidade, e que a falta de moradia também afeta outras comunidades, inclusive vizinhas ao local ocupado pelos indígenas.

O magistrado julgou o pedido improcedente. Cabe recurso ao TRF4.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5048128-61.2017.4.04.7100/RS

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do laboratorio de inovacao da JFRS Logotipo do memorial da JFRS Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br