Arvorezinha

Justiça Federal condena homem acusado de participação em roubo de bancos que resultou na morte de refém

11 de setembro de 2019 - 19:01

A 1ª Vara Federal de Lajeado (RS) condenou, em 27/8, um homem acusado de participar de um roubo simultâneo a duas agências bancárias na cidade gaúcha de Arvorezinha. A atuação criminosa teria sido feita com violência, utilizado reféns como escudo humano e ocasionou a morte de um deles. A sentença, da juíza Ana Paula Martini Tremarin Wedy, fixou pena de reclusão de mais de 26 anos.

O Ministério Público Federal (MPF) narrou que seis pessoas fortemente armadas e usando toucas ninjas invadiram as agências da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil por volta das 14h no dia 7/12/17. Eles fizeram os clientes e funcionários reféns, além de usá-los como cordão/escudo humano, e efetuaram diversos disparos dentro dos locais como forma de ameaça e intimidação.

De acordo com o autor, após roubar o dinheiro e as armas dos vigilantes, os assaltantes fugiram utilizando três veículos e levando reféns no porta-malas. Houve troca de tiros entre os eles e policiais militares, sendo que um dos reféns foi atingindo de forma fatal e outro ferido.

Em seguida, segundo o MPF, os assaltantes libertaram os reféns, abandonaram um dos carros e queimaram os outros dois, além de jogar miguelitos, para obstruir a via. Eles fugiram em uma camionete. Este veículo, na noite, foi abordado pela polícia, ocasião em que se identificou o denunciado, que tentou escapar, mas foi preso.

Em sua defesa, o homem afirmou não existir provas robustas e concretas da materialidade dos crimes narrados pelo autor, sendo frágil e subjetivos os argumentos da suposta autoria. Sustentou não haver comprovação da ciência e participação nos roubos, destacando que é dependente químico e que, por sofrer ameaças de morte a ele e a família, foi aliciado unicamente para recuperar um veículo, furtado e repleto de objetos ilícitos.

Risco do crime mais grave

Ao analisar o material probatório anexado aos autos, a juíza federal substituta Ana Paula Martini Tremarin Wedy ressaltou serem “irretocáveis os trabalhos conduzidos pelas Polícias Civil e Federal, assim como a análise das provas realizadas pelo Ministério Público Federal, em sede de memoriais”. Para ela, o réu “contribuiu decisivamente com a sua ação para o sucesso da empreitada delituosa, na medida em que previamente anuiu e convencionou a realização da subtração dos valores das agências bancárias, participando de grupo estruturado e fortemente armado; e, no âmbito da divisão de tarefas, assumiu a função de realizar a fuga dos meliantes, que não restaram capturados”.

A magistrada afirmou que os assaltantes ao efetuarem diversos disparos contra os policiais militares para abrir rota de fuga, utilizarem pessoas como escudo nos veículos, colocadas no interior, nos porta-malas e até no capô, assumiram a possibilidade de atingir alguém de forma letal. Dessa forma, segundo ela, apesar de não ter sido comprovado que o acusado tenha atirado na vítima, ele “assumiu o risco pela ocorrência do crime mais grave ao participar de empreitada criminosa de roubo” na forma como foi executada. 

De acordo com Ana Paula, a responsabilização do réu pelo crime de latrocínio é idêntica aos demais assaltantes, “uma vez que o ordenamento jurídico pátrio adota na esfera criminal, como regra, a teoria monista ou unitária, a qual prevê que, havendo pluralidade de agentes com diversas condutas, provocando apenas um resultado, há um só delito, sendo que todos os envolvidos respondem por ele”. Ela julgou parcialmente procedente a ação condenando o homem por receptação de carro roubando, associação criminosa e roubo seguido de morte.

A pena foi fixada em 26 anos e sete meses de reclusão em regime fechado e pagamento de multa. A sentença manteve a prisão preventiva, assim o réu não poderá apelar em liberdade ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do laboratorio de inovacao da JFRS Logotipo do memorial da JFRS Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br