Estelionato

Justiça Federal condena homem por enganar Caixa com boletos fraudulentos

19 de fevereiro de 2020 - 17:32

A 22ª Vara Federal de Porto Alegre condenou um homem por estelionato. Ele teria apresentado 77 boletos fraudulentos à Caixa Econômica Federal que desviava parte dos valores concedidos a título de empréstimo para uma conta dele. A sentença foi publica na segunda-feira (17/2).

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com a ação contra o homem e sua irmã narrando que, entre outubro de 2013 e abril de 2014, ela era gerente de atendimento a pessoa física numa agência da empresa pública localizada na zona norte da capital e ele era o administrador de fato de uma Correspondente Caixa Aqui. Sustentou que o irmão apresentou os boletos e outros documentos para, supostamente, quitar dívidas de clientes junto ao Fundo Habitacional do Exército.

Segundo a acusação, os valores pagos foram direcionados para uma conta no Banco do Brasil de titularidade do indiciado. O autor alegou que a irmã era a responsável pela análise e concessão dos contratos de crédito consignado intermediados pela Correspondente e também por sua quitação. Afirmou que, apesar da apuração administrativa ter concluído pela negligência e imprudência da denunciada, ela tinha conhecimento do caráter ilícito de sua conduta. Os valores subtraídos da Caixa ultrapassariam R$ 450 mil.

Em sua defesa, a mulher solicitou absolvição em função de insuficiência de provas quanto ao seu envolvimento nas fraudes e por ausência de dolo. Já o homem argumentou que a não existência de elementos para participação dolosa da irmã nos fatos descritos afasta a caracterização de peculato.

Ao analisar as provas anexadas aos autos, o juízo concluiu que o réu apresentou os boletos sabendo serem falsos e com propósito de induzir a Caixa em erro para obter, em proveito próprio, os valores. A irmã, ao assinar a maioria dos contratos de crédito consignado ou autorizar a utilização de parte daquele crédito no pagamento dos boletos fraudulentos viabilizou a consumação dos fatos.

Entretanto, para a 22ª Vara Federal da capital, para condenar a denunciada pelo crime de peculato é preciso comprovar que se ela sabia ou suspeitava da falsidade dos boletos, o que não restou demonstrado. A sentença aponta que, em relação ao argumento do MPF de que a mulher ocultou o parentesco com o irmão e sua posição na Correspondente Caixa, os depoimentos apontam que ela não escondeu, mas dava a entender que ele era mero funcionário. A conclusão do juízo foi que esta atitude era para permitir que ele trabalhasse na empresa e a auxiliasse a conseguir clientes.

De acordo com a decisão, por mais experiente que fosse a ré, “não tinha como identificar, a olho nu, a falsidade dos boletos em questão, a menos que ela soubesse, de cabeça, o verdadeiro número da conta-corrente da Fundação Habitacional do Exército ou da conta-corrente da empresa” do irmão, o que são hipóteses remotas e não comprovadas nos autos. A partir desse entendimento, o juízo absolveu a mulher e condenou o homem a pena de reclusão de três anos e oito meses.

A pena privativa de liberdade foi substituída por prestação de serviços a comunidade e prestação pecuniária de 20 salários mínimos. Ele também pagará indenização correspondente ao total do prejuízo causado à Caixa, fixado em R$ 466.216,75. Cabe recurso da decisão ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Tópicos relacionados

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do laboratorio de inovacao da JFRS Logotipo do memorial da JFRS Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br