Notícia

Médico deve ressarcir valores recebidos do SUS após proibição de contratar com o Poder Público, decide JFRS

18 de dezembro de 2017 - 16:22
Um médico de Guarani das Missões (RS) foi condenado a devolver aos cofres públicos valores recebidos, ao longo de dois anos, do Sistema Único de Saúde (SUS). No período em que prestou os serviços, ele estava proibido de contratar com o Poder Público por ter sido condenado anteriormente em uma ação de improbidade administrativa. A sentença foi proferida pela juíza federal Iracema Longhi, da 2ª Vara Federal de Santo Ângelo em 13/12. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o homem de 68 anos havia respondido a uma ação na Justiça estadual pela cobrança indevida de atendimento médico. Entre outras penas aplicadas, estaria a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios e incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos. No período da restrição, entretanto, ele teria prestado serviços médicos ao Estado, IPERGS e Município de Guarani das Missões, junto à Associação Hospital Santa Tereza. Em sua defesa, o réu sustentou a impossibilidade de identificar quais valores o autor pretendia ver ressarcidos. Discorreu sobre a generalidade do alcance da penalidade imposta e afirmou que os contratos em vigência deveriams er mantidos, embora houvesse a possibilidade da administração rescindir ou anular o pacto desde que observadas as formalidades da Lei de Licitações. Após analisar as provas e argumentos apresentados, a juíza observou que o acusado não contestou os fatos alegados, “inclusive tendo instruído sua defesa com cópia de aditivo contratual”. Fazendo menção a um parecer emitido em 2010 pela Advocadia-Geral da União, ela ponderou que seu entendimento é de que “os contratos já vigentes não devem ser rescindidos apenas em decorrência de condenação judicial por improbidade administrativa à sanção de proibição de contratar com o Poder Público”. Com esse argumento, Iracema julgou parcialmente procedente a ação e condenou o médico ao ressarcimento dos valores pagos pelo SUS no período posterior ao término de seu contrato com o hospital. O total a ser devolvido aos cofres públicos será purado com base em relatório apresentado pela Secretaria Estadual de Saúde. Cabe recurso ao TRF4.

Outras notícias

Todas as notícias
Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br