Palestra na JFRS abordou a Comunicação Não-Violenta

Na busca por “soluções mais humanas e eficientes nas execuções penais”, a Justiça Federal do RS promoveu, nesta quarta-feira (8/11), mais uma palestra integrante do ciclo Justiça Restaurativa. Com o tema “Comunicação Não-Violenta: a violência é a expressão trágica de uma necessidade não atendida?”, a iniciativa apresentou uma proposta de reaprendizado relacional, em que a agressão é encarada sob a perspectiva de “uma linguagem montada em cima de histórias de vida, necessidades e sentimentos”. O evento aconteceu na sede da instituição em Porto Alegre.

Juiz Roberto Schaan, vestindo terno escuro e segurando um microfone, está sentado atrás de uma mesa em madeira. À sua esquerda, está Marcelo Pelozzoli, vestindo blazer e também sentado.

Schaan (E) destacou intenção de “humanizar” a execução das penas 

O diálogo foi conduzido pelo doutor em filosofia e professor da UFPE Marcelo Luiz Pelizzoli. Ele iniciou sua fala classificando os diferentes tipos de violência e explicou que ela não está apenas relacionada à criminalidade, mas pode existir em todas as formas de relação, inclusive as hierárquicas /profissionais e afetivas.

Embasando sua explicação em uma base filosófica e em experiências profissionais, o palestrante deixou claro que, em relação ao tema, a técnica fica em segundo plano. Segundo ele, não há um método a ser seguido, mas princípios que indicam como conduzir as relações sob a ótica da comunicação não-violenta. Um deles é o da escuta ativa. Diz respeito a “apostar na qualidade da escuta como uma maneira de compreender o que está acontecendo na sociedade e entender, de uma forma melhor, porque ocorre a violência”.

Outro ponto importante é o reconhecimento da humanidade do interlocutor. Para Pelizzoli, todos possuímos valores em comum, com os quais podemos nos identificar e a partir dos quais podemos nos conectar com o outro. Ele também deixou claro que esses valores não se confundem com a ideia de bons costumes, mas com o mais básico do ser humano.

Ele ainda admitiu que há méritos em atitudes combativas, com caráter de oposição. Entretanto, destacou que o diálogo e a busca pelo entendimento estão a serviço de algo maior.

A abertura da palestra foi realizada pelo líder do Projeto Estratégico Justiça Restaurativa na JFRS, juiz federal Roberto Schaan Ferreira. No final do evento, foi aberto um espaço para a plateia contribuir com questionamentos e apontamentos.

O ponto de vista da imagem é o do fundo do auditório. A plateia é vista de costas. À frente, há um telão com a imagem desfocada e o palestrante marcelo Pelizzoli aparece em pé, segurando o microfone.

Pelizzoli promove círculos de diálogos em cadeia de Pernambuco

CNV

Proposta pelo psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg, a Comunicação Não-Violenta é conectada com a fundamentação ética da Cultura da Paz, paradigma que propõe reflexões e práticas que resgatam a sociabilidade fundamental das relações humanas.

A proposta é incentivar a empatia por meio da comunicação, tendo como norte os valores universais. A CNV tem como modelo ético o não-estabelecimento de rótulos entre as pessoas e a não-dominação e busca pôr os interlocutores em posição de igualdade.

Justiça Restaurativa

O evento realizado nesta quarta-feira faz parte do ciclo de seminários “Justiça Restaurativa – Uma nova perspectiva de Justiça”, iniciado em agosto deste ano. O projeto parte da idéia de que cabe ao Poder Judiciário aprimorar permanentemente suas formas de resposta às questões sociais relacionadas aos conflitos com a lei e violência, resgatando sua capacidade de diálogo com a sociedade.

Além de magistrados e servidores da JFRS e do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, estiveram presentes servidores do Ministério Público Federal, da Advocacia-Geral da União e da Susepe.

Veja mais Notícias

JFRS: ex-reitor da Ulbra e filha são condenados por lavagem de dinheiro

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) condenou um ex-reitor da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra/Celsp) e sua filha pelo crime de lavagem de dinheiro. Outras três pessoas

JFRS condena dois homens presos com 42kg de cocaína em Gravataí

A 11ª Vara Federal de Porto Alegre condenou um brasileiro e um uruguaio que haviam sido presos transportando 42kg de cocaína. A sentença, do juiz federal substituto Ricardo

Justiça Federal em Cachoeira do Sul (RS) nega pedido de reinstalação de posto de pesagem na BR-290

A 1ª Vara Federal de Cachoeira do Sul julgou improcedente uma ação que solicitava a reinstalação de posto de pesagem de veículos no trecho da BR-290 que liga o município e a

JF Carazinho absolve acusados de fraude a licitação em Lagoa dos Três Cantos

A 1ª Vara Federal de Carazinho (RS) absolveu nove pessoas acusadas de frustrar o caráter competitivo de uma licitação realizada em 2010 no município de Lagoa dos Três Cantos.

Morte de coronel em base área de Canoas teve motivação política-ideológica decorrente do regime militar, declara JFRS

A 2ª Vara Federal de Canoas (RS) declarou que a morte de um coronel da Aeronáutica ocorrida em um quartel do município em 1965 teria sido motivada por questões