“Patrimônio Cultural, o espaço e a memória que nos cercam e nos definem”

Exposições anos anteriores:

Participação na 9ª Primavera dos Museus/IBRAM com o tema “Patrimônio Cultural, o espaço e a memória que nos cercam e nos definem”

Foto de 4 Processos expostos em uma mesa, sobre apoiadores. Atrás, uma parede preta com 8 fotos colocadas; conteúdo das fotos : partes arquitetônicas de prédios antigos.

A Primavera dos Museus é o resultado de uma ação conjunta entre as instituições museológicas de todo o país, o Instituto Brasileiro dos Museus/Ibram e o Ministério da Cultura/MINC, cujas programações são pensadas em torno de um mesmo tema. A partir do tema proposto pelo Instituto, os museus brasileiros são convidados a elaborar programações especiais para o início da primavera. Essa ação cultural acontece anualmente desde 2007.

Para comemorar os 10 anos de atuação da 9ª Vara Federal da capital, especializada em Direito Ambiental, o Memorial da Justiça Federal promoveu a exposição “Patrimônio Cultural: o espaço e a memória que nos cercam e nos definem” em alusão à 9ª edição da Primavera dos Museus. 

Na abertura dos trabalhos, a juíza federal Marciane Bonzanini, vice-diretora do Foro, destacou a apresentação de ações judiciais contextualizadas lado a lado com obras de arte que trazem, a partir da sensibilidade artística, as questões sociais que permeiam a temática do evento. “Os processos findos apresentam o envolvimento e a resposta que a Justiça Federal dá à sociedade sobre a questão patrimonial brasileira e os valores e memórias indígenas, bem como, propõem uma reflexão sobre a diversidade sociocultural que compõe o Brasil”, afirmou.

Após a solenidade, o educador do projeto Vitrine Cultural da prefeitura de Guaíba (RS), Mauro Cesaro Prado, apresentou a animação “Lendas do Iguaçu”, que retratou a origem das Cataratas do Iguaçu por intermédio da história contada por índios da etnia kaingang. O vídeo foi utilizado para trabalhar a construção do conhecimento popular através da utilização de lendas e mitos.

A programação contou com sessão comentada de cinema com a exibição do filme “Desterro Guarani”, no dia 21 de setembro, e oficina de sticker art ministrada por Xadalu, no dia 24 de setembro.

Foto de um grande painel com a foto estilizada de uma índia com seu filho no colo. A face de ambos têm tinta preta – exceto seus olhos. O Painel está cercado com arames farpados. Ao lado esquerdo do painel, parte da figura de um prédio ; à direita, na parede que segue, um desenho estilizado da cabeça de um indiozinho; ao lado, um espelho escrito "MEMÓRIA" refletindo o painel.
Obra de Xadalu – Participação na 9ª Primavera dos Museus/IBRAM com o tema “Patrimônio Cultural, o espaço e a memória que nos cercam e nos definem”

Exibição do filme “Desterro Guarani”

Nos dias 21 e 22/9, a Seção Judiciária do RS promoveu, junto ao Núcleo de Documentação e Memória e à Comissão de Responsabilidade Socioambiental, um evento de integração e informação voltado aos funcionários terceirizados que atuam em Porto Alegre. Os funcionários participaram de uma visita guiada pelo prédio-sede da instituição e assistiram a sessões comentadas do filme “Desterro Guarani”- dirigido pelo indígena Ariel Ortega.

Durante a visita guiada conduzida pela supervisora da Seção de Planejamento e Gestão Estratégica, Sibele Garcez, eles conheceram um pouco mais sobre a história, a organização, a competência e papel social da Justiça Federal. Após a exibição do curta Desterro Guarani”, uma palestra foi proferida pela educadora Iara Tatiana Bonin a respeito da situação dos índios em diversos estados brasileiros.

Processos Históricos

A exposição contou com processos históricos envolvendo, por exemplo, a Fonte Missioneira em São Miguel das Missões (RS), a construção de casas em área tombada em Antônio Prado (RS), conflito entre índios de mesma comunidade ou agricultores procurando evitar invasão de terras por parte de índios. 
Interessante observar que a atuação da Justiça Federal levou, em alguns casos, a uma solução pacífica da demanda.

Objetos históricos

Também foram expostos objetos cedidos pelo Ponto da Memória Missioneira de São Miguel das Missões, Museu Municipal Dr. José Olavo Machado de Santo Ângelo e Museu Municipal de Guarani das Missões, como boleadeiras, lança, cerâmica jesuíta, base de toucheira, entre outros. Peças dos acervos do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, do Memorial da JFRS, das seções judiciárias do Paraná e de Santa Catarina, bem como da Defensoria Pública da União também integram a mostra. Entre os artistas que tiveram seus trabalhos expostos, estão Daniel Masutti, Fabio Giorgi, Jorge Herrmann e Xadalu.

Painel com desenho de um homem com uma lança em uma mão e a outra levantada com uma cruz. Atrás, um sol laranja desenhado, estilizado; em volta dele figuras como se fossem anjos. Está escrito : Índio (no topo da arte) Resiste (mais abaixo) .

O Memorial da Justiça Federal do Rio Grande do Sul contou com o apoio de parcerias como: TRF4, SJPR, Museu Municipal Dr. José Olavo Machado, Ponto de Memória Missioneira, Museu Municipal de Guarani das Missões, DPU/Defensoria Pública da União, Memorial da Câmara de Porto Alegre.

Logotipo do laboratorio de inovacao da JFRS Logotipo do projeto Portas para o Futuro

Aplicativos Eproc

Loja Google Play Loja App Store
www2.jfrs.jus.br