Portal da Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Seção Judiciária de Santa Catarina
Seção Judiciária do Paraná
Intra da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
M
A+
A
A-

Processo eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região completa 5 milhões de ações na Região Sul

30 de agosto de 2017

Tela do portal do TRF4. Cabeçalho horizontal verde, com o símbolo da instituição e o nome à esquerda. Logo abaixo, formulários para consulta processual, logotipo do sistema eproc e o número 5 milhões.

Processômetro no Portal do TRF4 registra a marca de 5 milhões de processos eletrônicos na 4ª Região

O “processômetro”, que contabiliza o número de ações que ingressam na Justiça Federal da 4ª Região (TRF4, RS, SC e PR), atingiu hoje (30/8), às 16 horas, a marca de 5 milhões de ações distribuídas na Região Sul por meio do eproc- o processo eletrônico judicial. O sistema reduz entre 20 e 50% o tempo de tramitação em relação às ações físicas. Atualmente, 93,08% dos processos que tramitam na 4ª Região são eletrônicos, sendo que apenas 6,92% ainda são físicos, oriundos principalmente da competência delegada em matéria previdenciária.

A contagem dos 5 milhões pode ser acompanhada nos portais do tribunal e da Justiça Federal nos três estados do Sul e é relativa aos processos de primeiro e segundo graus, do rito ordinário e dos Juizados Especiais Federais. Para o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores, é uma marca ser comemorada. “Esse número impressionante atesta a excelência do sistema e da tecnologia desenvolvidos pelo TRF4”, analisa o magistrado.

Há sete anos foi implantada a nova versão do eproc, que passou a contemplar todos os graus de jurisdição, chegando também ao TRF4.  Mas a trajetória do eproc já vem de longe. O primeiro sistema processual eletrônico da Justiça Federal do país começou a ser utilizado em 2003, nos Juizados Especiais Federais (JEFs) do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná. A versão atual foi construída aproveitando os conceitos da primeira versão, sendo implantada em todas as varas federais de primeiro grau em 2009 e, em 2010, também no TRF4.

O eproc foi idealizado e desenvolvido por magistrados e servidores da Justiça Federal da 4ª Região. Por atender todas as matérias e graus, é considerado pelos usuários um sistema consolidado pela agilidade e pelas funcionalidades. Além disso, representa  economia para a gestão pública e sustentabilidade, pois dispensa o uso de papel e insumos para a impressão. Outro aspecto é a disponibilidade do sistema online, 24 horas por dia, a partir de qualquer local com acesso à internet.

Parcerias

Com o desenvolvimento próprio e cessão gratuita para órgãos do Poder Judiciário, o eproc tem sido adotado por outras instituições. Já é usado pelo Tribunal de Justiça de Tocantins (TJ-TO) desde 2011. Também foram firmados acordos de cooperação com o Superior Tribunal Militar (STM) e com o Tribunal de Justiça Militar de Minas Gerais (TJM MG), nos quais o eproc encontra-se em fase preliminar de implantação.

Em 17 de julho deste ano, o eproc passou a ser o novo sistema processual da Turma Nacional de Uniformização (TNU) dos Juizados Especiais Federais (JEFs). A implantação foi regulamentada por meio de provimento da Corregedoria–Geral da Justiça Federal e está sendo coordenada pelo juiz federal da 4ª Região Sérgio Renato Tejada Garcia, um dos criadores do sistema e responsável pela implantação em toda a Região Sul.

O uso do eproc na TNU foi decorrente da flexibilização quanto à utilização do sistema Processo Judicial Eletrônico- PJe, autorizada pela ministra Carmem Lúcia, presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O PJe é adotado em alguns órgãos do Poder Judiciário, de acordo com a Resolução 185 do CNJ.

A atual gestora do eproc na Justiça Federal da 4ª Região, juíza federal Taís Schilling Ferraz, ressalta que a flexibilização pelo CNJ tem gerado a procura de outras instituições pelo sistema. “Diversos tribunais superiores, federais e estaduais vêm procurando o TRF4 para conhecer o eproc e estudar a viabilidade de adotá-lo. O tribunal está honrado com a demonstração de interesse, aberto para auxiliar no que for necessário e para ceder gratuitamente a tecnologia do sistema”, afirmou Taís.

App do eproc e novas funcionalidades

O eproc possui 130 mil advogados cadastrados. É constantemente atualizado pela equipe de desenvolvimento, atendendo às novas demandas desses usuários. Um exemplo é que desde agosto do ano passado o controle dos processos e prazos pode ser acompanhado por advogados e público externo na palma da mão. Há quase um ano, o TRF4 já disponibiliza o aplicativo eproc para dispositivos móveis, que pode ser baixado gratuitamente nas lojas Apple Store (IOS) e Google Play (Android), garantindo aos profissionais mais acesso e facilidade na gestão dos seus processos.

O app eproc oferece aos advogados funcionalidades como a consulta de processos e prazos, ciência em intimações, íntegra dos processos judiciais, baixa de documentos e lista de processos favoritos. O acesso é realizado com a mesma sigla e senha utilizadas na versão normal do eproc.

O sistema permite às unidades judiciais automatizarem seus procedimentos e disponibiliza um completo portfólio de ferramentas para a elaboração de documentos judiciais de modo simples e ágil. O módulo através do qual é realizada a Sessão de Julgamento já está sendo utilizado com sucesso no TRF4 e oferece novos conceitos e diversas facilidades aos usuários.

Interoperabilidade

Além de estar integrado com diversos sistemas utilizados por procuradorias e por outras cortes e órgãos públicos, o eproc é totalmente aderente ao Escritório Digital, portal desenvolvido pelo CNJ. O objetivo é permitir aos advogados atuarem em suas ações por meio de um único site, não importando em qual sistema o feito tramite originalmente.

eproc e Lava Jato

A agilidade e a transparência do eproc ganham maior visibilidade em virtude das ações da Lava Jato. Nos quase três anos e meio de tramitação dos processos da operação no TRF4, 701 recursos chegaram ao tribunal, sendo que 524 já estão baixados. Para o juiz federal Eduardo Tonetto Picarelli, que também já foi gestor do eproc, as ações não andariam tão rápido se estivessem em papel.

Ele explica que a tramitação dos processos físicos envolve uma série de pequenas esperas: a impressão dos documentos, a organização em pastas, o envio entre setores e instituições, por exemplo. Picarelli chama esses momentos de “tempo morto”. Embora não tão demorados, eles acumulam-se em “efeito bola de neve” e geram atrasos nos processos. “O eproc elimina isso, desburocratizando e automatizando a tramitação”, explica o magistrado.

O desenrolar da Lava Jato é o exemplo mais recente da importância do eproc em processos criminais, mas não o único. Grandes ações, como a Operação Brasiguai, de 2012, sobre tráfico de drogas, e a Sinapse, de 2013, ambas do Paraná e envolvendo lavagem de dinheiro, se beneficiaram igualmente do sistema eletrônico.

O desenvolvimento de muitas ferramentas do eproc seguiu sugestões tanto da Polícia Federal (PF) quanto do Ministério Público Federal (MPF). O eproc é um dos poucos processos eletrônicos do país que atende à tramitação policial e foi pensado para ter interoperabilidade com as outras instituições, permitindo a “conversa” entre os sistemas eletrônicos..

Os relatórios das operações já são recebidos pelas varas de modo virtual, graças à cooperação entre Justiça e Polícia Federal. Por meio do Inquérito Policial Eletrônico, os documentos que necessitariam circular entre Justiça Federal (JF), PF e MPF, sendo enviados e retirados fisicamente – algo que podia levar até 15 dias -, estão disponíveis de forma imediata no eproc. Outro ganho de qualidade é a disponibilização dos dados de áudio e de vídeo dos depoimentos, que são anexados aos processos.

Fonte: ACS/TRF4

OUTRAS NOTÍCIAS

Forças Armadas: JFRS decide que União deve estipular casos de dispensa de licenciamento ambiental realizado pelo Ibama
20 de novembro de 2017
A JFRS concedeu 120 dias para que seja editado o decreto que definirá quais atividades militares estão dispensadas de licenciamento ambiental por parte do Ibama. A decisão é da [Leia mais »]


Três semanas após inauguração, unidade da Justiça Federal em Nova Prata (RS) tem primeiro processo sentenciado
17 de novembro de 2017
Um dos primeiros processos ajuizados na Unidade Avançada de Atendimento (UAA) da Justiça Federal em Nova Prata (RS) foi solucionado em menos de três semanas. Em sentença [Leia mais »]


JFRS: Petrobrás violou princípio da administração pública ao batizar área de exploração como “Campo de Lula”
17 de novembro de 2017
A 5ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a Petrobrás altere o nome da área de exploração petrolífera batizada em 2010 de “Campo de Lula”. Segundo o juiz federal [Leia mais »]


JFRS determina que Incra promova o licenciamento ambiental em assentamentos próximos à Bagé (RS)
16 de novembro de 2017
A 1ª Vara Federal de Bagé determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promova o licenciamento ambiental corretivo dos assentamentos Banhado [Leia mais »]


Programação sobre saúde leva acervo da Santa Casa ao Espaço Expositivo da JFRS
16 de novembro de 2017
O Núcleo de Documentação e Memória da Justiça Federal do RS (JFRS) inicia amanhã (17/11) mais uma etapa do evento Direitos Humanos: uma questão de Justiça”. Com foco no [Leia mais »]


Rua Otavio Francisco Caruso da Rocha, 600 - Bairro Praia de Belas - CEP 90010-395 - Porto Alegre (RS) - PABX (51) 3214 9000